Novo Coronavírus

São Paulo Com chegada do IFA, produção da CoronaVac demora até 20 dias

Com chegada do IFA, produção da CoronaVac demora até 20 dias

Saiba o passo a passo desde a chegada dos insumos, envase, testagem até a distribuição das doses ao Ministério da Saúde

Mesmo com chegada do IFA, produção da vacina demora até 20 dias para ficar pronta

Mesmo com chegada do IFA, produção da vacina demora até 20 dias para ficar pronta

Sedat Suna/EFE/EPA - 29.04.2021

Depois de ficar sem insumos para a produção da CoronaVac, o Instituto Butantan recebe na tarde desta terça-feira (25) 3 mil litros de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) para retomar a fabricação do imunizante contra a covid-19. No entanto, até a vacina ficar pronta são necessários de 15 a 20 dias. Entenda o passo a passo.

A primeira etapa, a partir do recebimento da matéria-prima, é o armazenamento do IFA em câmara fria e contêiner de aço-inox. Depois o contêiner é encaminhado para a sala de tanques para transferência do composto para a bolsa de agitação.

Na sequência, vai para o tanque pulmão, onde ocorre o envase. Durante esse processo, os frascos-ampola são lavados e esterilizados por meio de ar seco quente, passam automaticamente para a entrada da máquina envasadora e, por esteiras automáticas, são posicionados nas agulhas que despejam o produto dentro dos frascos via bomba dosadora.

Já com o produto, os frascos-ampola são entregues pela esteira automática à recravadora, onde recebem o selo de alumínio.

Na terceira fase, é feita a inspeção visual manual, rotulagem e checagem dos dados até que os frascos sejam embalados.

Após o conteúdo envasado, são feitos testes de qualidade por amostragem, incluindo aspecto, pH, volume extraível, volume médio, teor de alumínio, teste de vedação, osmolalidade, identidade, conteúdo antigênico, toxicidade, esterilidade e endotoxina.

Após a testagem, a CoronaVac estará pronta para distribuição ao Ministério da Saúde, que encaminhará as doses aos estados, de acordo com o PNI (Plano Nacional de Imunização) contra a covid-19.

Últimas