São Paulo Comando da PM nega que cabo morta em chacina tenha feito denúncia contra colegas

Comando da PM nega que cabo morta em chacina tenha feito denúncia contra colegas

Procedimento será instaurado para apurar declarações de ex-chefe da vítima

  • São Paulo | Do R7

Andreia Bovo Pesseghini (foto) e o filho, principal suspeito do crime

Andreia Bovo Pesseghini (foto) e o filho, principal suspeito do crime

Reprodução/Facebook

Em nota enviada na noite desta quarta-feira (7), o Comando da Policia Militar afirmou que “não houve qualquer denúncia registrada na Corregedoria da PM, ou no Batalhão, por meio da cabo Andréia Pesseghini contra policiais militares”. A informação é contrária a passada pelo coronel Wagner Dimas Alves Pereira, comandante do 18º Batalhão, nesta tarde. Andréia foi encontrada morta em casa, junto com o marido, o filho e duas parentes.

Ainda na nota, a PM afirma que "foram consultados arquivos da Corregedoria, do Centro de Inteligência e do próprio Batalhão e nada foi identificado, portanto, será instaurado um procedimento para apurar as declarações do coronel". Ainda segundo eles, as declarações "não alteram em nada o rumo das investigações".

O caso

Um casal de policiais militares e o filho deles, de 13 anos, foram encontrados mortos dentro de casa na noite da segunda-feira (5), por volta das 18h30, na rua Dom Sebastião. A mulher era Andreia Regina Bovo e trabalhava como cabo da PM. O marido dela era o sargento da Rota Luís Marcelo Pesseghini. 

Desejo de filho de PMs mortos em chacina era assassinar os pais, diz amigo à polícia

As investigações policiais indicam que o adolescente teria matado a família, entre a noite de domingo (4) e a madrugada de segunda (5). Ele teria dirigido o carro da família até a escola onde estuda, a cerca de 5 km da casa.

Uma câmera de segurança da região flagrou o jovem saindo do veículo  

Após a aula, ele pegou carona com o melhor amigo. O pai do garoto o deixou na frente de casa. Marcelo teria dito que não havia necessidade de chamar o pai porque ele estava dormindo.

Nesta quarta-feira (7), a polícia irá ouvir familiares, professores e colegas da escola.

Últimas