Corpo de estudante assassinado na porta do condomínio onde morava é enterrado em SP

Victor Hugo Deppman, de 19 anos, foi morto durante assalto na zona leste

Corpo%20do%20jovem%20Victor%20Hugo%20Deppman%20foi%20enterrado%20no%20cemit%C3%A9rio%20da%20Quarta%20Parada%2C%20na%20zona%20leste%20de%20S%C3%A3o%20Paulo
Corpo%20do%20jovem%20Victor%20Hugo%20Deppman%20foi%20enterrado%20no%20cemit%C3%A9rio%20da%20Quarta%20Parada%2C%20na%20zona%20leste%20de%20S%C3%A3o%20Paulo Reprodu%C3%A7%C3%A3o%2FRede%20Record

O corpo do estudante universitário Victor Hugo Deppman, de 19 anos, assassinado na noite da última terça-feira (9) durante assalto, foi enterrado na tarde desta quarta-feira (10) no cemitério da Quarta Parada, na zona leste da cidade de São Paulo.

Segundo informações  estudante voltava da faculdade quando foi foi rendido por dois homens que ocupavam uma moto. O garupa desceu do veículo e apontou uma arma para o universitário. O garoto entregou o celular e ao entregar a mochila, foi baleado na cabeça, sem reagir. Após o disparo, o bandido fugiu na garupa da moto de um comparsa que esperava-o a frente do condomínio.

Leia mais notícias de São Paulo

Polícia busca suspeito de assassinar universitário durante assalto na zona leste

A ação dos criminosos foi filmada pelas câmeras de segurança do condomínio. Segundo o síndico, as imagens dsão nítidas e serão entregues até o fim da manhã para a Polícia Civil. Ainda de acordo com o síndico, a pedido da família, as imagens do crime não serão divulgadas para a imprensa, somente as imagens do criminoso, no momento da fuga, também flagrada pelas câmeras.

O estudante foi levado para o Hospital Santa Virgínia, mas não resistiu aos ferimentos. O caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte) no plantão do 31º Distrito Policial (Vila Carrão). Os assassinos ainda continuavam foragidos.

A mãe do estudante, Marisa Deppman, passou mal logo após o enterro, por volta das 18h. Nesta manhã, ela falou a Rede Record que tinha telefonado para o filho alguns minutos antes do crime. 

— Eu ligava na hora do almoço todo dia. Ontem, mesmo, 15 minutos antes de tudo acontecer, eu falei com ele, ele estava na estação Santa Cecília e falou que logo estaria em casa. 

Marisa ainda disse que sempre falou para o filho nunca reagir em casos de roubo. 

— Eu sempre o orientei para não reagir. Sempre falei, ‘sua vida não vale um celular’. Mas a bandidagem está aí. Eu estou revoltada, mas o que eu podia fazer eu fiz, eu criei meu filho, investi na educação dele.

Assista ao vídeo: