São Paulo Corpo sem identificação mantém mistério sobre o sumiço de Lucas

Corpo sem identificação mantém mistério sobre o sumiço de Lucas

Ontem, familiares do menino divergiram sobre a identidade do cadáver achado em lago de Santo André, que será submetido a exames de DNA

garoto lucas

Menino de 14 anos desapareceu após abordagem da PM

Menino de 14 anos desapareceu após abordagem da PM

Reprodução

O corpo encontrado em um lago em Santo André, na última sexta-feira (15), permanece sem identificação, informou a SSP (Secretaria de Segurança Pública) neste sábado (16).

Por isso, será necessário um exame de DNA para descobrir se é mesmo o cadáver do garoto Lucas Eduardo Martins dos Santos, 14 anos, que desapareceu na terça-feira (12).

Em nota, a pasta reforçou que “uma família esteve na unidade, porém, não houve reconhecimento conclusivo quanto à identificação”.

Ontem, familiares de Lucas foram ao IML (Instituto Médico Legal) de Santo André e divergiram sobre o reconhecimento do cadáver. Por isso, não foi possível assegurar que era mesmo Lucas.

A SSP informou também que a PM “instaurou um procedimento para apurar todos os fatos e denúncias referentes ao caso” e que dois agentes de segurança, “apontados por testemunhas como supostos participantes da abordagem no Jardim Santa Catarina”, foram afastados das ruas.

Moradores da favela do Amor, em Santo André, relataram ameaças por parte de policiais militares. Eles pedem por respostas para o sumiço do estudante.

Lucas sumiu na noite da última terça-feira (12). De acordo com a madrasta, Lucas indicou para um PM onde morava e, em seguida, foi levado em uma viatura. Depois disso, não foi mais visto.

Leia a nota da SSP na íntegra:

"A SSP esclarece que o corpo encontrado em Santo André nesta sexta-feira, 15/11, não foi identificado até o momento. Serão realizados exames de DNA pelo IML da cidade. Uma família esteve na unidade, porém, não houve reconhecimento conclusivo quanto à identificação.

A Polícia Militar instaurou um procedimento para apurar todos os fatos e denúncias referentes ao caso. Preventivamente, afastou do serviço operacional dois agentes que foram apontados por testemunhas como supostos participantes da abordagem no Jardim Santa Catarina.

São Paulo, 16 de novembro de 2019."