São Paulo Covas diz que obra para viaduto que cedeu em São Paulo sai em 15 dias

Covas diz que obra para viaduto que cedeu em São Paulo sai em 15 dias

Segundo prefeito, etapas foram escoramento, construção de estacas e macaqueamento. Próximo passo serão estudos para remediação

Encerrada fase de macaqueamento, Prefeitura promete obra em 15 dias

Encerrada fase de macaqueamento, Prefeitura promete obra em 15 dias

ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO - 02.12.2018

Após reerguer um metro do viaduto que desabou na ponte do Jaguaré, na marginal Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, a Prefeitura considerou que a velocidade do processo de testes e elevação da estrutura, encerrados neste domingo (2), superaram as previsões da gestão municipal. 

"Concluímos 100% do macaqueamento. Hoje estamos no 18º dia fazendo aquilo que esperávamos fazer entre o 25º dia e o 30º dia depois do incidente", afirmou o prefeito Bruno Covas, no início da tarde deste domingo. O viaduto cedeu no dia 15 de novembro e provocou a destruição de cinco veículos que transitavam pelo local. 

Leia mais: Prefeitura de SP ergue um metro de viaduto na marginal que cedeu

Segundo o prefeito, nas últimas 12 horas trabalharam dois mil homens/hora para entregar as obras. Covas estimou, porém, que serão necessários mais 15 dias para que a Prefeitura defina a obra necessária para fazer a remediação da estrutura. Nos dois dias de macaqueamento, segundo a gestão municipal, trabalharam 217 operários, técnicos e engenheiros.

"Esse é o macaqueamento, não é a obra de remediação do viaduto. Serão feitos estudos completos para verificar qual a obra de engenharia necessária para fazer a remediação", disse Covas. "Os primeiros passos foram o escoramento, a construção das estacas e o macaqueamento."

Leia mais: Motoristas preparam ação judicial por causa de viaduto que cedeu

"Seria impossível finalizar essa avaliação sem o término do macaqueamento. Agora poderemos saber qual a obra necessária e o prazo para a remediação do viaduto", afirmou Covas. 

Trajetos

O prefeito afirmou que os 15 quilômetros que poderiam ser liberados na Marginal Pinheiros estão disponíveis. "Estamos avaliando outras possibilidades de alargamento das aberturas entre as ligações entre a expressa e a local", disse. A previsão é que os cinco quilômetros que estavam interditados continuem fechados até a conclusão da obra.

"Enquanto os técnicos estiverem trabalhando não temos previsão de liberar outras pistas. Estamos trabalhando com a maior cautela e conservadorismo." Uma das conclusões após a primeira fase de obras e a partir do resultado do macaqueamento é que está descartada, segundo Covas, a hipótese de demolição e construção de um outro viaduto. Covas afirmou também que avisará a CPTM sobre a finalização dos testes.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que vai liberar, neste domingo um trecho de 2,1 quilômetros da pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Interlagos e Castelo Branco, entre a Praça Silveira Santos e o acesso da pista expressa para a local.

Nesse acesso, houve ampliação de uma para duas faixas de rolamento. Com a conclusão da obra, foram liberados 13,3 quilômetros da pista expressa da Marginal do Rio Pinheiros, que estava parcialmente interditada.