Covas fala com ACM Neto e escolas de samba sobre adiar Carnaval

Prefeito disse nesta quarta (15) que pretende tomar em conjunto com outras cidades uma decisão sobre a festa, que leva seis meses para ser organizada 

Carnaval 2021 deve ser adiado

Carnaval 2021 deve ser adiado

MARCELO CHELLO/CJPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Carnaval de 2021 pode ser adiado em São Paulo, de acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB). Ele disse que está conversando com representantes das escolas de samba e com prefeitos de outras cidades. “Já falei com o prefeito ACM Neto, de Salvador, para que a gente possa tomar essa decisão conjuntamente, não apenas em São Paulo, mas nas principais cidades onde temos Carnaval no Brasil”.

Leia também: Bairro nobre quer muro para isolar parque e moradores de Paraisópolis

A possibilidade do adiamento das festas foi anunciada durante a entrega do trecho recapeado da avenida Jacú Pêssego, em Itaquera, zona leste de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (15).

A organização do Carnaval leva seis meses e inclui não só as festas de rua, mas os desfiles das escolas de samba no sambódromo do Anhembi. A preparação das escolas inclui não apenas com a montagem de carros alegóricos e fantasias, mas ensaios nas quadras e ensaios técnicos no Anhembi, que atraem milhares de pessoas.

Covas disse que a Virada Cultural de São Paulo, que será realizada em setembro, ocorrerá apenas com eventos online.

A prefeitura tem até outubro para avaliar como será o Réveillon, pois a organização da festa leva três meses. A expectativa é que uma definição aconteça nos próximos dias, incluindo definições sobre a Parada LGBT e a Marcha para Jesus.

Mais cedo, o governador João Doria também falou sobre a realização de festas, como o Réveillon e Carnaval, e condicionou a realização à vacina contra a covid-19. "Nós não temos que celebrar nem Ano-Novo nem Carnaval diante de uma pandemia", declarou o governador. "Apenas com uma vacina pronta e aplicada, e a imunização feita, é que podemos ter celebrações que fazem parte do calendário do país, mas neste momento, não."