São Paulo Covas toma posse e promete SP 'mais acolhedora e menos desigual'

Covas toma posse e promete SP 'mais acolhedora e menos desigual'

Em discurso na Câmara Municipal, o prefeito reeleito prometeu combater desigualdade e priorizar luta contra pandemia

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Bruno Covas toma posse como prefeito de São Paulo

Bruno Covas toma posse como prefeito de São Paulo

RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 1.1.2021

O prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), tomou posse oficialmente do cargo nesta sexta-feira (1°). A cerimônia ocorreu na Câmara de Vereadores, no centro da capital. "Prometo excercer com dedicação e lealdade meu mandato, cumprindo e fazendo cumprir a Constituição da República, a Constitutição estudual, lei orgânica do município e a legislação em vigor defendendo a justiça social, a paz, igualdade a todos os cidadãos", afirmou Bruno Covas.

"A democracia não está garantida, ela é tão forte quanto a nossa vontade de lutar por ela. Proteger a nossa democracia exige luta. Com essas palavras, Kamala Harris [vice-presidente dos EUA] abriu seu discurso de posse e com essas palavras assumo meu compromisso com a cidade. Em tempos de negacionismos, é ainda mais importante afirmar aquilo que é basilar. Esse é o nosso maior ativo político. Estamos e estaremos sempre à postos para lutar por ela", disse. 

Covas disse também que São Paulo e o país foram às urnas e as mensagens que econaram são claras. "Moderação equilíbrio, respeito à diversidade. Nosso projeto foi e é capaz de traduzir as vozes da população. Tenho clara noção da responsabilidade e dos desafios que estão por vir", disse.

"Peço a Deus que me ilumine na tarefa de gerir essa cidade gigante atento às observações, posições e críticas da população e que eu consiga reduzir as falhas rapidamente. Essa megalópole, que acolhe a todos sem distinção, é rica e diversa, mas profundamente injusta. É uma cidade dinâmica que compete com as maiores cidades do mundo, é um resumo do mundo e do Brasil."

Covas afirmou ainda que a prioridade é garantir a qualidade de vida dos moradores da cidade. "Tomo posse consciente dos desafios dramáticos que cabem a mim e a minha equipe", afimou citando as palavras de seu avô Mário Covas. "Temos responsabilidade ainda maior para construir um novo tempo com senso de responsabilidade coletiva e renovação no mundo, com esperança de que a humanidade tenha confiança na ciência e que tenha a vacina."

Durante o discurso de posse, Covas citou ainda as dificuldades enfrentadas durante a pandemia. "Qual comportamento coletivo vamos deixar para os nossos netos? A maior crise sanitária deste século é reflexo direto do nosso comportamento ambiental. É urgente uma mudança de comportamento. A humanidade sempre conviveu compandemias, mas nunca estivemos tão conectados e tivemos tanta informação. A humanidade sabe como pode ser proteger e o que deve ser feito individualmente contra a pandemia."

O prefeito reeleito disse ainda que a ciência é preponderante diante dos "recalques". "Nunca se viu tanto comportamento engajado. Devemos nossos agradecimentos a milhares de trabalhadores anônimos a diversas áreas que mantiveram nossa cidade funcionando." Bruno prometeu ainda "governar para todos" nos próximos quatro anos e reforçou: "não nos iludamos, serão tempos difícil." 

Entre as prioridades de sua administração, Covas afirmou que a mais premente é o combate à pandemia. "Vamos colocar todos os novos hospitais que abrimos a pleno vapor, a ordem é manter o que prevaleceu nos últimos meses em SP", disse. A segunda prioridade, segundo ele, é garantir a segurança na volta às aulas presenciais. O terceiro aspecto citado por ele é a redução da desigualdade social, sobretudo, entre os afetados pela pandemia. Covas disse ainda que analisará medidas para garantir a sobrevivência de empreendedores na cidade.

Covas prometeu ainda a divulgação de um programa de metas. "Minha gestão tem coicindido com adversidades que jamais imaginei enfrentar. Minha doença me permitiu me reencontrar comigo mesmo. Hoje, tenho a saúde e a força necessária para atuar junto a população e estabeleci, junto à minha equipe, um paradigma: jamais nos omitirmos", afirmou em relação à luta que travou contra um câncer.

O prefeito voltou a lembrar do compromisso que assumiu durante a campanha de nomear mulheres e mulheres negras para cargos de seu governo. "Pretendo construir uma São Paulo menos desigual e mais inclusiva", disse. Em relação à participação do Estado, Covas afirmou que trabalhar com "a máxima de um estado necessário, nem o mínimo, nem o máximo." Por fim, o prefeito reeleito afirmou que é preciso lutar contra a polarização e "zelar pela democracia, participação cidadã e as conquistas civilizatórias".

João Doria e Ricardo Nunes

O governador João Doria (PSDB) afirmou que a prioridade deve ser dada à defesa da democracia, da tolerância e da igualdade para o mandato do Executivo e do Legislativo. "Sem a defesa da educação, jamais seríamos uma grande nação. A prioridade deve ser dada aos vulneráveis, aos que mais sofrem, aos que vivem em situação de drogagem e em situação de rua. A prioridade também deve ser dada à saúde, à presevação da vida."

Doria também afirmou que a vacina contra o coronavirus possibilitará a volta à normalidade no que se refere à saúde e à economia e que o governo se compromete a apoiar à prefeitura de São Paulo.

Na cerimônia, o vice-prefeito Ricardo Nunes (MDB) também foi empossado. "É o momento de comemorar a democracia, a cidade escolheu o prefeito Bruno Covas. Muito foi falado sobre a saúde e temas sociais. Na saúde, foi importante que o prefeito garantisse que ninguém ficasse sem tratamento durante a pandemia. Ninguém ficou sem UTI, sem respirador. Na área da educação, foi uma gestão focada para cuidar das pessoas." Além dele, os 55 vereadores eleitos na capital paulista também tomaram posse para a 18ª Legislatura. 

Abertura

O vereador Eduardo Suplicy (PT) fez a abertura da sessão solene da 18º Legislatura da Câmara Municipal de São Paulo. "Vivemos um momento tão difciil de agravamendo da pandemia e do fim do auxílio emergencial", disse. Ele lembrou das pessoas que foram beneficiadas com o auxílio do governo federal.

"Precisamos colaborar com o prefeito para melhorar a qualidade de vida para tornar São Paulo uma cidade mais acolhedora e solidária", afirmou. "Nesses tempos, em que estamos chocados com a violência tem que afetado as mulheres e as mulheres negras, precisamos dar mais prioridade ao tema. Venho conclamar a todos a dar maior atenção a preveneir e evitar a violência contra a mulher."

O vereador afirmou ainda que é preciso garantir que a volta às aulas ocorra somente com as condições de saúde asseguradas. Suplicy também lembrou do programa Renda Básica em São Paulo e entregou uma cartilha explicativa ao prefeito e ao vice-prefeito, Ricardo Nunes. Por fim, Suplicy pediu empenho geral para que haja vacinação contra o coronavírus aos brasileiros.

Cerimônia

Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, foram adotadas medidas mais restritivas e está proibido o acesso de pessoas à galeria do Plenário 1° de Maio. Também foi limitada a entrada ao gabinete parlamentar para um funcionário e apenas um convidado.

Os protocolos de segurança foram ampliados para atender ao decreto que retornou, interinamente, todo o estado para a fase vermelha da quarentena entre os dias 1 e 3 de janeiro. Apenas serviços essenciais poderão funcionar normalmente.

Últimas