Coronavírus

São Paulo Covid: SP anuncia aplicação da 3ª dose para profissionais de saúde

Covid: SP anuncia aplicação da 3ª dose para profissionais de saúde

Para receber a dose de reforço, a partir de segunda (4), trabalhador deverá ter concluído esquema vacinal há pelo menos 6 meses

  • São Paulo | Do R7

Cerca de 1 milhão de trabalhadores receberão a aplicação da dose de reforço

Cerca de 1 milhão de trabalhadores receberão a aplicação da dose de reforço

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Governo do Estado de São Paulo vai iniciar a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 para profissionais de saúde na próxima segunda-feira (4). O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB), nesta quarta-feira (29), no Palácio dos Bandeirantes.

A dose de reforço será destinada a 1 milhão desses trabalhadores, entre eles médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e outros profissionais.

Para receber a aplicação, o trabalhador deverá ter concluído seu esquema vacinal – ou seja, recebido a segunda dose – há pelo menos seis meses.

“Vamos iniciar a aplicação da terceira dose aos trabalhadores da saúde: profissionais de saúde, médicos e enfermeiros e os que trabalham com a saúde. Começa na segunda-feira, dia 4 de outubro. A dose de reforço será aplicada em 1 milhão de profissionais”, disse Doria.

O cronograma da dose de reforço para os profissionais de saúde será escalonado por faixa etária. Primeiro serão vacinados aqueles que têm de 60 a 69 anos, entre os próximos dias 4 e 10.

“Para os trabalhadores da saúde que tomaram suas vacinas entre fevereiro e março, estamos disponibilizando 1 milhão de doses para a partir de segunda-feira”, disse Regiane de Paula, coordenadora do PEI (Programa Estadual de Imunização).

Corujão da Saúde de volta

Outro anúncio do governo estadual foi o retorno do Corujão da Saúde a partir desta sexta-feira (1º). A primeira fase do retorno será focada somente em exames de oncologia, como disse Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde.

“Continuamos reduzindo o número de internações. São 11 mil pacientes a menos internados em relação ao pico da pandemia, em abril deste ano. Isso permite que a Saúde possa cuidar de outras doenças que não só a Covid, aquelas doenças precisam ser recondicionadas para que possamos tratar desses pacientes. E a primeira fase é o Corujão da Saúde, que cuida de uma área sensível que é o câncer”, afirmou Gorinchteyn.

A meta inicial dessa primeira fase será agilizar o diagnóstico dos pacientes represados, bem como o começo de seus tratamentos.

Serão realizados, ao todo, 335 mil exames que aguardaram filas durante a pandemia do novo coronavírus, com mil pacientes fazendo 19 mil sessões de radioterapia. Os tipos de câncer atendidos serão do aparelho digestivo, tireoide, próstata, cérebro, pulmão e pele.

A gestão paulista oferecerá equipamentos públicos e privados para esses atendimentos. Dos primeiros, fazem parte 55 hospitais e 45 AMEs, com início em 1º de outubro. Entre os privados, serão 50 hospitais, que iniciarão esse trabalho em 11 de outubro – com chamamento público aberto até esta sexta-feira (1º).

“Essa é a uma primeira fase do Corujão, voltada para a oncologia. Nas próximas semanas faremos novos anúncios sobre outras especialidades e o Corujão Cirúrgico”, afirmou o secretário.

Últimas