Novo Coronavírus

São Paulo Dados animadores, diz Covas sobre eficiência de CoronaVac contra cepa

Dados animadores, diz Covas sobre eficiência de CoronaVac contra cepa

Diretor do Instituto Butantan espera que, após verificação da 2ª dose da vacina contra covid, percentual suba 'substancialmente'

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Butantan libera mais 1 milhão de novas doses de CoronaVac ao Ministério da Saúde

Butantan libera mais 1 milhão de novas doses de CoronaVac ao Ministério da Saúde

Governo do Estado de São Paulo - 05.04.2021

O diretor do Intituto Butantan, Dimas Covas, afirmou, nesta quarta-feira (7), que os dados que apontam a eficácia de 50% da CoronaVac em casos sintomáticos de covid-19, causados pela variante identificada em Manaus, no Amazonas, após 14 dias da aplicação da primeira dose, são animadores. 

"É um estudo ainda em curso, precisa ser verificado após a segunda dose, mas o que se espera é que esse percentual suba substancialmente", afirmou Covas em coletiva de imprensa na sede do instituto em São Paulo. "São dados animadores que comprovam outros dados, do Chile que apareceram essa semana, demonstrando uma diminuição de internações e óbitos de pessoas com mais de 70 anos, dados preliminares em Serrana que, embora não sejam definitivos, mostram uma diminuição de casos graves."

De acordo com o diretor do Butantan, os estudos de campo comprovam a eficiência da vacina, como foi determinado a eficácia pelos estudos clínicos. "Esses estudos corroboram o que já se sabia com resultados iniciais dos estudos clínicos de fase 3", disse Dimas Covas. 

Em relação ao cronograma da Butanvac, imunizante produzido no Brasil pelo instituto, Covas afirmou que em breve o Butantan deverá apresentar o protocolo do estudo clínico. "É o que falta nesse momento. Isso depende de uma reunião que será feita com o consórcio internacional hoje", afirmou. "Espero que até a sexta-feira a gente tenha terminado esse protocolo para submeter à Anvisa."

Dimas Covas afirmou que o estudo clínicio será realizado em tempo recorde. "Isso nos dá uma perspectiva de ter a submissão de todos os documentos para a Anvisa até o meio do ano e a possibilidade real de ter uma nova vacina no segundo semetre desse ano."

Questionado sobre a quantidade de insumos para a produção da CoronaVac, o governador João Doria (PSDB), também presente na coletiva de imprensa, afirmou ter conversado com o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, na tarde da terça-feira (7). "Ele disse que falaria com a chancelaria e que ele não via nenhuma perspectiva de retardo [na chegada dos insumos, 50% da produção de vacinas na China está sendo exportada", afirmou.

"Não há nenhuma razão para o retardamento ou atrasos do IFA para o Butantan, mas o embaixador disse daria uma posição definitiva após ouvir chancelarias da China, em Pequim", disse Doria.

O secretário estadual da saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que a pasta realiza um sequênciamento das doses de imunizantes distribuídos. "O percentual de mortes é muito baixo, não chega a 1%. Dentro de todas as prerrogativas não chegou a 2 mil daqueles que desenvolveram formas moderadas", disse. "O impacto da vacinação acima de 90 anos reduziu a mortalidade em 50%."

Novo lote de vacinas

O Instituto Butantan liberou, nesta quarta-feira (7), mais 1 milhão de doses da CoronaVac para o Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. O governador João Doria (PSDB) acompanhou junto com o secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn, e o diretor do Butanta, Dimas Covas, a liberação do imunizante contra o coronavírus para uso em todo o país.

De acordo com o governo, foram entregues 38,2 milhões ao PNI (Programa Nacional de Imunizações), das quais 2 milhões apenas nesta semana. Para efeito de comparação, a Alemanha vacinou 10 milhões de pessoas, segundo com o último balanço do site Our World in Data.

O total corresponde a 83% das 46 milhões de doses acordadas até 30 de abrirl com o Ministério da Saúde. Em março foram disponibilizadas pelo Butantan 22,7 milhões de doses. Em fevereiro, 4,85 milhões e, em janeiro, 8,7 milhões de unidades.

O Butantan ainda trabalha para entregar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até o dia 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades. Atualmente, 85% das vacinas disponíveis no país contra a covid-19 são do Butantan.

Últimas