Novo Coronavírus

São Paulo Detentos de SP iniciam a produção de máscaras protetivas ao covid-19

Detentos de SP iniciam a produção de máscaras protetivas ao covid-19

Governo estadual deverá produzir 320 mil unidades - 26 mil peças por dia - em fábricas adaptadas dentro de penitenciárias no interior paulista

  • São Paulo | Do R7

Confeccção de máscaras descartáveis será feita por 200 presidiários

Confeccção de máscaras descartáveis será feita por 200 presidiários

Divulgação/Governo do Estado de SP

O governo do Estado de São Paulo divulgou nesta quinta-feira (26) o início da confecção de máscaras descartáveis para a proteção contra o contágio do novo coronavírus, realizada por detentos de um presídio de Tremembé, na região do Vale do Paraíba.

Leia também: MP cobra prefeitura de SP plano para conter coronavírus em favelas

Os presidiários passaram por uma rigorosa etapa de higienização pessoal e receberam roupas especiais antes de iniciar a fase de costura dos produtos. A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) adquiriu insumos para a produção de 320 mil unidades e a previsão é que sejam fabricadas 26 mil peças por dia nas fábricas adaptadas.

Presos de unidade em Taubaté costuram máscaras

Presos de unidade em Taubaté costuram máscaras

Divulgação/Governo do Estado de SP

O trabalho terá o envolvimento de 200 reeducandos de várias regiões do Estado, incluindo penitenciárias masculinas e femininas. Somente em oficinas nas Penitenciárias Femininas I e II de Tremembé, a produção diária será de 18 mil peças, com 121 máquinas em operação.

Ainda nesta semana, as Penitenciárias Feminina de Tupi Paulista e Masculina de Andradina também começarão o trabalho de fabricação dos produtos. Em Tupi Paulista, a produção será de 5,4 mil peças por dia em 36 máquinas. Já em Andradina, serão 2,6 mil peças por dia com o uso de 19 máquinas.

Últimas