São Paulo Dono de arma usada para matar três PMs diz que foi roubado

Dono de arma usada para matar três PMs diz que foi roubado

Falso policial civil usou a peça para atirar contra as vítimas durante uma abordagem na zona oeste de São Paulo e também acabou morto no confronto

  • São Paulo | Elizabeth Matravolgyi, da Agência Record

Armas usadas por falso policial

Armas usadas por falso policial

Divulgação/ Polícia Civil

O dono de uma das armas usadas para matar três policiais militares em confronto na zona oeste de São Paulo, no sábado (8) prestou depoimento à polícia nesta quarta-feira (12). Ouvido no DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa), ele afirmou que foi roubado e que só sentiu falta do objeto quando foi procurado pela polícia. 

O proprietário do armamento disse também que não conhecia Cauê Doretto de Assis, o falso policial civil autor dos assassinatos. O responsável por outra arma, uma 9mm com numeração raspada ainda não foi identificado.

Visita de Bolsonaro

Nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro visitou Samuel Victor, filho recém-nascido de um dos policiais mortos.

Além de Victor, um outro policial militar que morreu baleado na abordagem, o sargento José Valdir de Oliveira Junior, de 37 anos, também deixou uma mulher grávida. De gêmeos. Junior já tinha uma filha adolescente.

O caso

As mortes ocorreram na madrugada do último sábado, quando o falso policial Cauê Doretto de Assis e um amigo saíram de sua casa por volta das 02h00 para ir a uma loja de conveniência beber.

Leia também: Jovens inocentes são finalmente soltos após passarem dois meses e meio na prisão

Após cerca de duas horas, Cauê foi flagrado revistando um homem que estava em uma moto, enquanto seu amigo permanecia no carro, na Avenida Escola Politécnica.

Durante patrulhamento, o sargento José Valdir de Oliveira Junior, o soldado Victor Rodrigues Pinto da Silva e o soldado Celso Ferreira Menezes Junior se depararam com a cena e decidiram parar.

Veja também: Caso Priscila Tatiana: polícia pede prisão de marido, que está foragido

Durante a abordagem, Cauê entregou uma das armas que portava ao sargento Oliveira Junior. Em seguida, o oficial caminhou até a viatura para consultar a numeração do revólver. O falso policial civil aproveitou o descuido dos agentes e iniciou os disparos contra os militares, que revidaram.

Tanto os policiais militares quanto Cauê ficaram feridos e foram levados ao Hospital Universitário da USP (Universidade de São Paulo) e ao Regional de Osasco, respectivamente.

A polícia também confirmou que Cauê portava uma identidade funcional falsa, da Polícia Civil.

Últimas