São Paulo Dono de casa onde menina foi estuprada e morta deve ser interrogado pela polícia hoje

Dono de casa onde menina foi estuprada e morta deve ser interrogado pela polícia hoje

Ele teve a prisão temporária decretada após depoimento do porteiro que confessou o crime

Dono de casa onde menina foi estuprada e morta deve ser interrogado pela polícia hoje

O corpo de Angélica foi encontrado com diversas perfurações, hematomas, e havia sinais de violência sexual

O corpo de Angélica foi encontrado com diversas perfurações, hematomas, e havia sinais de violência sexual

Reprodução/ Rede Record

O dono da casa onde a menina Angélica Barbosa Romasco, de oito anos, foi estuprada, torturada e morta na última quarta-feira (15), deve prestar depoimento nesta segunda-feira (20).  

Alexandre Oliveira Machado está na carceiragem do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção á Pessoa).   

Ele teve a prisão temporária decretada após um depoimento de Andreus Vieira Batista, de 34 anos, o porteiro que confessou ter cometido o crime.    

Alexandre alugava a garagem da casa para Andreus, onde o porteiro guardava seu carro.

A casa, que foi cenário do crime, foi depredada na noite de sexta-feira (17) por vizinhos.   

Fotos: casa onde menina foi estuprada e morta fica destruída após revolta

A polícia não informou o que Andreus revelou que ocasionou o pedido de prisão de Alexandre, que já havia sido detido e depois liberado. Na casa dele, foi encontrada uma arma calibre 38.   

O crime

Angélica desapareceu na noite de quarta-feira, enquanto brincava, na frente de casa, no bairro Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. O corpo da criança foi encontrado com diversas perfurações, a maioria delas na cabeça, hematomas, e havia sinais de violência sexual. Um cordão foi amarrado nos braços e no pescoço dela.

Vizinhos e parentes suspeitaram do porteiro e avisaram a polícia. Ele chegou a desaparecer logo após o crime, mas foi encontrado pela polícia. No carro dele, havia manchas de sangue nos bancos, um rolo de barbante e uma calcinha infantil, que a mãe de Angélica reconheceu ser da filha.

Leia mais notícias de São Paulo

O corpo da menina foi enterrado na manhã de sexta-feira, no Cemitério Municipal de Itaquera, na Vila Carmosina, zona leste da capital paulista.

Crueldade

Andreus não mostrou arrependimento ao confessar o crime para polícia. A informação foi passada, na sexta-feira, pelo delegado divisionário do DHPP, Itagiba Franco.

A crueldade foi tão grande que o criminoso chegou a desfigurar o rosto da menina com um alicate e também teria usado uma chave de roda para matar a garota. O homem conhecia a criança e a família dela. O delegado Franco classificou o crime como “asqueroso”.   

— Não se sabe com um ser humano é capaz de agir dessa forma, principalmente contra uma criança de oito anos. Isso nos choca.

    Access log