São Paulo Doria anuncia Corujão da Saúde e criação de quatro batalhões da PM

Doria anuncia Corujão da Saúde e criação de quatro batalhões da PM

Medidas nas áreas de segurança pública e saúde foram divulgadas nesta sexta-feira (8), pelo governador de São Paulo, e começam já neste mês

Doria anuncia Corujão da Saúde e criação de cinco batalhões da PM

Em São Paulo, João Doria (PSDB) anuncia medidas de segurança pública e saúde

Em São Paulo, João Doria (PSDB) anuncia medidas de segurança pública e saúde

Adriana Spaca / Estadão Conteúdo / 18.01.2019

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta sexta-feira (8) duas medidas, nas áreas de segurança pública e saúde, para os moradores do Estado mais rico do país. A primeira é a criação de cinco batalhões da Polícia Militar, e a segunda é o Corujão da Saúde.

O Estado conta, atualmente, com cinco batalhões que cuidam de operações de alto risco, chamados de Baep, distribuídos em São Paulo, Campinas, Santos, São José dos Campos e Osasco. Até o dia 12 de abril, outros quatro estarão em funcionamento, em São Bernardo do Campo, São José do Rio Preto, outro na capital paulista e em Presidente Prudente.

Este último, por sua vez, para dar assistência a penitenciária Presidente Venceslau, onde se encontra presa a cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital), uma das principais facções criminosas. Cada batalhão será composto entre 265 a 295 policiais, no entanto, não serão contratados novos agentes. O tucano anunciou, também, a criação de outros oito, mas sem citar data e local.

Leia mais: Carros da PM de SP terão espingarda com alto poder de destruição

De acordo com o secretário de Segurança Pública, general Camilo Campos, os batalhões servirão para “articular a força da polícia no interior”. A medida foi tomada para distribuir melhor os agentes de segurança para outras cidades, uma vez que os batalhões se concentram na região metropolitana. “Vamos construir em outras regiões, porque toda vez que é acionado tem que levar os policiais de batalhões daqui de São Paulo, e isso leva tempo até todos chegarem no local da ocorrência”, disse.

O comandante da Polícia Militar, coronel Salles, disse que os policiais irão passar por um treinamento de sete semanas, liderado pelo general Gasparian. “Não é o fim da Força Tática, é mais um dos recursos dos comandantes regionais”, comentou. As unidades terão 30 carros e um ônibus cada uma. “Temos 1.800 PMs novos que ainda não foram destacados para as unidades. Mas quem compõe o Baep é PM experiente. Então, vamos pedir as unidades os agentes com mais experiência e destacar os agentes novos nos lugares dos que saírem”, argumentou o secretário de Segurança.

Corujão da Saúde

Doria também anunciou a criação do Corujão da Saúde para o Estado de São Paulo. Enquanto prefeito, ele também implementou a medida. Auditoria realizada pelo Tribunal de Contas do Município apontou que a gestão do tucano na prefeitura não cumpriu a promessa de diminuir o tempo de espera por um exame médico. O ex-prefeito havia fixado o prazo de 30 dias para os exames urgentes e 60 para os demais depois do encerramento do programa, mas o prazo foi de mais de três meses após a data da entrada na fila, que constituiu prazo excessivo.

Veja também: Corujão da Saúde pode ter irregularidades, diz auditoria do TCM

Desta vez, no Estado, a promessa é de zerar a fila por ultrassom, mamografia e endoscopia, inicialmente em três regiões (Grande São Paulo, Campinas e Vale do Paraíba) em 60 dias. Os três locais totalizam 155.243 exames. A primeira fase do programa se inicia no próximo dia 25 de fevereiro. “O Corujão vai ser complementar as unidades básicas municipais, que continuarão realizando exames”, disse Doria.

O secretário de Saúde, José Henrique Germann, disse que já fez contatos com hospitais particulares para o programa, entre eles, Sírio-Libanês, Albert Einstein, Beneficência Portuguesa, Santa Casa de São José dos Campos, Hospital Vera Cruz. Questionado, ele não soube dizer quais serão as próximas etapas, tampouco o número de exames na fila de espera de todo o Estado. “Eu não tenho o dado aqui comigo, está na secretaria”, disse ele, que também não informou o orçamento da secretaria para a medida.

Na região metropolitana da Grande São Paulo, serão realizados 50.627 exames na primeira fase do programa, dos quais 4.552 endoscopias, 42.646 ultrassons e 3.432 mamografias. Na região de Campinas, serão 8.356 endoscopias, 55.916 ultrassonografias e 8.866 mamografias, num total de 73.138 exames. No Vale do Paraíba, 31.478 exames, distribuídos em 3.904 endoscopias, 24.988 ultrassons e 2.586 mamografias.

    Access log