Novo Coronavírus

São Paulo Doria diz que 'quadro é dramático' e deve adotar mais restrições em SP

Doria diz que 'quadro é dramático' e deve adotar mais restrições em SP

Novas medidas para aumentar o isolamento social e frear covid-19 serão anunciadas pelo Centro de Contingência do Coronavírus

  • São Paulo | Do R7

Doria deve anunciar medidas adicionais para aumentar isolamento e frear covid-19

Doria deve anunciar medidas adicionais para aumentar isolamento e frear covid-19

Miguel SCHINCARIOL/AFP - 15.03.2021

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) afirmou nesta quarta-feira (17), que o estado e o país enfrentam um cenário 'gravíssimo' de disseminação da covid-19. "Medidas adicionais certamente terão de ser adotadas", afirmou o governador. "Estamos diante de um quadro gravíssimo, dramático não apenas em São Paulo como em todo o Brasil", disse ele em coletiva de imprensa no Instituto Butantan.

Doria disse que o Centro de Contingência do Coronavírus terá uma reunião que deve se encerrar por volta das 11h e, depois em outra reunião antes da coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, as novas restrições serão adotadas. "Medidas adicionais certamente terão de ser adotadas, mas vamos aguardar aquilo que o Centro de Contingência e os cientistas definirão."

"O Brasil assumiu a triste liderança mundial em índice médio de mortos em todo o planeta, isso se deve a falta de coordenação nacional, falta de orientação correta da população. Muito triste os números que vimos ontem sobre todo o Brasil", diz Doria. "Cada estado brasileiro está heroicamente fazendo o que pode."

O governador de São Paulo avaliou negativamente o início da atuação do novo ministro da saúde, o médico cardiologista Marcelo Queiroga. "Um cardiologista que assume o Ministério da Saúde e diz que quem manda é o presidente da República, que não é médico, é um mau presságio de mais alguém que prefere fazer vassalagem ao presidente ao invés de atender o que ele aprendeu na escola, na faculdade e na prática como cardiologista."

Novas doses de vacina

O Instituto Butantan e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), acompanharam, na manhã desta quarta-feira (17), a liberação de mais 2 milhões de doses da CoronaVac para o PNI (Programa Nacional de Imunizações) do Ministério da Saúde.

Na segunda-feira (15), foram liberadas 3,3 milhões de vacinas, totalizando mais de 5 milhões de doses entregues nesta semana. Com o novo carregamento, o total de vacinas disponibilizadas pelo Butantan ao PNI chega a 22,6 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. "Volto a repetir que o Brasil precisa de mais vacinas em larga escala", afirmou Doria durante a entrega do novo lote.

Em março, o Butantan disponibilizou 9,1 milhões de vacinas em cinco remessas para a imunização contra o coronavírus em todo país. O quantitativo é superior a todo o mês de fevereiro, quando foram entregues 4,85 milhões de doses.

Até o final de abril, o número de vacinas do Butantan somará 46 milhões. O instituto trabalha para entregar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades.

Últimas