STF

São Paulo Doria encontra Fux no STF para falar sobre guerra fiscal do gás boliviano

Doria encontra Fux no STF para falar sobre guerra fiscal do gás boliviano

Corte começa a decidir nesta quarta (21) se estado de MS tem direito exclusivo sobre ICMS da importação. Disputa tributária envolve também SC e RS

  • São Paulo | Do R7, com informações da Agência Brasil

João Doria, governador de SP

João Doria, governador de SP

Divulgação / Governo do Estado de SP - 21.10.2020

Em seu último compromisso oficial da viagem a Brasília, o governador de São Paulo, João Doria, encontrou Luiz Fux, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), nesta quarta-feira (21) para falar a respeito do julgamento sobre ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de gás importado da Bolívia. 

A disputa judicial está em andamento há 14 anos na Corte e envolve uma guerra fiscal entre São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Além do Paraná, os estados também são abastecidos pelo gasoduto Bolívia-Brasil.

O caso envolve a importação de gás natural pelo gasoduto Bolívia-Brasil. O Mato Grosso do Sul sustenta que tem o direito exclusivo de receber 100% do ICMS incidente sobre a importação produto. O estado argumenta que o gás é nacionalizado pela Petrobras em uma estação localizada em Corumbá. 

Os estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul argumentam que, após ser recebido em Corumbá, o gás percorre a parte brasileira do gasoduto e é vendido às companhias estaduais. Sendo assim, as outras unidades da federação também devem receber parte do ICMS.

De acordo com Doria, o estado de São Paulo já teve um prejuízo de R$ 15 bilhões por conta da medida. Após passar por Corumbá, o gás segue até Porto de Santos, no litoral sul paulista.

Veja também: Eduardo Pazuello é diagnosticado com covid-19

O segundo tema tratado no encontro foi o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direito) de bens do exterior. A causa envolve R$ 5,4 bilhões que, de acordo com Doria, "significam uma diferença expressiva para o Fisco de São Paulo, para o equilíbrio fiscal nesta pandemia".  Para dar a dimensão do valor, o governador afirmou que a reforma administrativa aprovada na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) após três semanas de discussão resultou na economia de R$ 7 bilhões.  

A passagem de Doria por Brasília incluiu visita ao Congresso e à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), onde discutiu a compra de 46 milhões de doses da Coronavac pelo Ministério da Saúde. 

Leia também: 'Saímos com a esperança elevada', diz Doria após reunião na Anvisa

Na terça-feira (20), o Ministério da Saúde anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em teste com voluntários em São Paulo e que será produzida pelo Instituto Butantan.  Nesta quarta-feira (21), no entanto, o presidente Jair Bolsonaro declarou que "toda e qualquer vacina está descartada".

Últimas