Doria inaugura três estações da linha 15-Prata do Metrô de SP

De acordo com o Governo do Estado, a chegada da linha até São Mateus irá reduzir o tempo de deslocamento para a região central em até 50%

Doria inaugura três estações da linha 15-Prata do Metrô de SP

Doria inaugura três estações da linha 15-Prata do Metrô de SP

Divulgação Governo do Estado de São Paulo / 16.12.2019

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), inaugurou nesta segunda-feira (16) três estações do Metrô: Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus, todas da linha 15-Prata. Com o novo trecho de mais de 3,9 km, a rede viária chega ao total de 101,1 km de extensão e 89 estações contempladas em seis diferentes linhas.

De acordo com o Governo do Estado, a chegada da linha 15-Prata até São Mateus irá reduzir o tempo de deslocamento para a região central em até 50% - a ação irá beneficiar mais de 300 mil pessoas.

Leia mais: Doria promete quatro estações do monotrilho até dezembro

O modelo de operação das três estações se dará de segunda a sexta-feira, das 10h às 15h, com cobrança de tarifa. Por ora, realização de testes e ajustes devem ocorrer nos demais períodos.

“São três estações que nos comprometemos a entregar até 31 de dezembro e, hoje, 16 de dezembro, estão sendo entregues”, argumentou Doria.

No entanto, as estações fazem parte do plano metroviário da gestão anterior ao tucano e também colega de partido Geraldo Alckmin. Na ocasião, o ex-governador planejou entregar as três paradas em 2013, mas não obteve sucesso. Assim que assumiu o posto, Doria refez a licitação para retomar as obras que estavam paradas há oito meses. No dia 22 de abril, prometeu concluir até dezembro a construção das quatro estações da linha 15-Prata.

As três novas estações seguem padrão de baixa interferência na paisagem local. Governo argumenta que todas ficam elevadas no canteiro central da avenida Sapopemba e a estrutura em concreto aparente e aço tem aberturas para ventilação e iluminação natural.

Veja também: Moradores reclamam de obras do metrô de SP que duram 9 anos

As plataformas possuem 90 metros de comprimento e 9,9 metros de largura, a cerca de 15 metros acima do nível da rua. Contam, também, com piso tátil, portas automáticas, escadas rolantes e fixas, elevadores, paraciclos e sanitários públicos.

“Hoje a linha 15-Prata chega a dez estações e, quando assumimos, eram seis operacionais entre o horário parcial, ao qual implementamos o horário integral. Até 2021, serão 11 estações com a entrega da Jardim Colonial, concluindo a primeira etapa da linha”, contou Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo.

Confira: Celular é o item eletrônico mais esquecido no metrô de São Paulo

Foto mostra interior da estação São Mateus, da linha 15-Prata

Foto mostra interior da estação São Mateus, da linha 15-Prata

Divulgação Governo do Estado de São Paulo / 16.12.2019

Linha 15-Prata

A Linha 15-Prata é o monotrilho de alta capacidade e vai conectar as regiões leste e sudeste a toda a rede de trilhos de São Paulo, reduzindo o tempo de deslocamento entre a região do Iguatemi (estação Jardim Colonial) ao centro.

Os trens trafegam com pneus sobre vigas de concreto elevadas.

A linha tem custo de R$ 5,3 bilhões em investimentos exclusivos do Governo do Estado, compreendendo a construção de 15,3 km de vias e 11 estações entre Vila Prudente e Jardim Colonial, além do Pátio de Manutenção Oratório e compra de 27 trens, sistemas elétricos, de sinalização e controle.

Mais: Meio-dia é o novo horário de pico da região metropolitana de São Paulo

A próxima etapa é concluir a estação Jardim Colonial, que deve ser entregue em 2021. Paralelamente, o Metrô trabalha para expandir a linha até o Hospital Cidade Tiradentes.