São Paulo Doria sanciona Bolsa do Povo com R$ 1 bilhão em programas sociais

Doria sanciona Bolsa do Povo com R$ 1 bilhão em programas sociais

Iniciativa pretende beneficiar até 500 mil pessoas em situação de vulnerabilidade social no estado, com benefícios de até R$ 500

  • São Paulo | Do R7

Doria sanciona Bolsa do Povo com investimentos de R$ 1 bilhão em programas sociais

Doria sanciona Bolsa do Povo com investimentos de R$ 1 bilhão em programas sociais

Marcello Casal JrAgência Brasil - 13.10.2020

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), sancionou a Lei 17.372/2021, que cria o Bolsa do Povo. Somente para 2021, estão previstos R$ 1 bilhão em recursos, a partir do remanejamento de R$ 600 milhões do orçamento e investimento de mais R$ 400 milhões. A iniciativa pretende concentrar a gestão de benefícios, ações e projetos para pessoas em situação de vulnerabilidade social. A decisão foi publicada nesta quinta-feira (27) no Diário Oficial do Estado.

Com a sanção, o governo está autorizado, por decretos e resoluções, a implementar novas ações sociais ou incrementar benefícios e abrangência dos programas já existentes. Também um Comitê Gestor foi criado para gerir e aplicar as diretrizes e normas do programa.

O Bolsa do Povo vai pagar benefícios de até R$ 500 ao mês e poderá beneficiar até 500 mil pessoas direta e indiretamente nos 645 municípios do estado, segundo o governo.

Na Bolsa do Povo, foram incorporados os programas Renda Cidadã, Via Rápida, Bolsa-Trabalho, Ação Jovem, Bolsa Talento Esportivo e o auxílio-moradia emergencial (Aluguel Social). Também está prevista a contratação de mães e pais nas escolas, além de agentes de apoio na Saúde. A estimativa é atender cerca de 20 mil pais.

Com a aprovação do programa Bolsa do Povo, o Bolsa-Trabalho poderá chegar a um salário mínimo e a jornada de atividade ser fixada entre 4 a 8 horas por dia, cinco dias na semana.

Sanção e vetos

A sanção incorporou algumas contribuições dos deputados ao projeto de lei enviado pelo governo de São Paulo, como a priorização das mulheres vítimas de violência doméstica ou mães que são chefes de família para receberem os benefícios sociais.

"O Bolsa do Povo não é um auxílio. Tornou-se uma ferramenta social importante para atravessarmos este momento de pandemia da covid-19. É um grande projeto social e econômico, de desenvolvimento do indivíduo, de impulso pessoal", afirmou o presidente da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), deputado Carlão Pignatari.

A sanção do governador trouxe alguns vetos, que agora voltam para serem decididos pelos parlamentares. Um deles obrigava o governo a disponibilizar a lista com os beneficiários do programa, de forma anônima, em site institucional, outro falava sobre a prestação de contas a comissões parlamentares a cada 6 meses. O último incluía as verbas destinadas ao Bolsa do Povo na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e na LOA (Lei Orçamentária Anual).

Últimas