Novo Coronavírus

São Paulo Economia paulista fecha 2020 no azul mesmo em meio à pandemia

Economia paulista fecha 2020 no azul mesmo em meio à pandemia

Avanço de 0,4% no PIB foi puxado pelo crescimento de 1,8% ao ano do setor de serviços e tecnologia. Já indústria caiu 2,9%

  • São Paulo | Joyce Ribeiro, do R7

PIB de SP avança 0,4% em 2020 mesmo em meio à pandemia, anuncia João Doria

PIB de SP avança 0,4% em 2020 mesmo em meio à pandemia, anuncia João Doria

Reprodução

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que o PIB paulista em 2020 foi de 0,4%, segundo a Fundação Seade, apesar dos impactos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus na economia brasileira e no mundo. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (4) em coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

"Uma boa notícia o resultado de avanço de 0,4% diante da forte queda do PIB no Brasil, com recuo de 4,1%, e a retração de 3,5% em média no mundo", ressalta Doria.

Segundo o governador, o resultado foi fruto de ações dos setores público e privado, com investimentos mesmo em cenário adverso. O estado já havia registrado crescimento acima da média nacional em 2019, 2,2%, enquanto no Brasil foi de 1,4%.

O secretário da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, destacou que "o resultado do PIB paulista foi excepcional, dadas as condições com os efeitos de uma crise sanitária e econômica de escala mundial". De acordo com ele, o desempenho foi puxado pelo setor de serviços e tecnologia, que cresceu 1,8% ao ano, e é responsável por 77% da economia no estado.

Já a indústria teve queda de 2,9% e a agropecuária teve um recuo de 1,7%. Na comparação em base trimestral, São Paulo teve melhor desempenho que o Brasil na maior parte do ano. Destaque para as atividades financeiras, construção civil e outros serviços de tecnologia e informação.

"Os números demonstram que o estado de São Paulo entra em 2021 com base forte para crescer mais. Em 2019, tivemos um regime forte de investimentos e também no início de 2020. Empresas entraram com maior aporte de tecnologia, o que ajudou na crise", ressalta Meirelles.

O governo mantém uma estimativa alta de crescimento do PIB em 2021. "Saímos crescendo em 2020, mantemos forte o fluxo de investimentos e o PIB deve crescer em torno de 5%. Apesar da alta de contaminações pelo coronavírus, é importante que sigam o cronograma de vacinação", lembra o secretário da Fazenda. 

Empregos

Já a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, afirmou que, em 2020, houve recorde de abertura de empresas de acordo com a Junta Comercial: 224.153. O número é o melhor desde 2013 e 15% maior do que o registrado em 2019.

São Paulo fechou 2020 com estoque de emprego próximo ao nível de 2019: -0,01%. “Fechamos com saldo próximo de zero. A aceleração que tivemos no segundo semestre compensou a perda que tivemos no pior momento da pandemia”, explica a secretária.

Uma das medidas que impulsionaram a alta foi a isenção da taxa de abertura de empresas entre 25 de agosto e 3 de outubro, mas também o incentivo aos serviços remotos, os de entrega e as plataformas de acesso ao mercado.

A secretária ainda lembrou a concessão de crédito às micro e pequenas empresas, além dos auxílios do Bolsa Trabalho, cujo projeto foi enviado à Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) e pretende beneficiar 100 mil pessoas com pagamento de R$ 450, e o Via Rápida, após inscrições em cursos profissionalizantes com bolsa de R$ 210.

Doria afirmou estar confiante na recuperação econômica e disse prever um bom Natal para os setores de comércio e serviços, com a maior parte da população já vacinada no estado contra a covid-19. "São Paulo roda 36% da economia do Brasil, isso é bom também para a economia do país", conclui. 

Últimas