Boechat

São Paulo Em seu último programa, Boechat criticou impunidade em tragédias 

Em seu último programa, Boechat criticou impunidade em tragédias 

Jornalista analisou manchete de jornal que falava sobre a falta de punição e esquecimento de grandes tragédias ocorridas no país

  • São Paulo | Giovanna Borielo, do R7*

Boechat criticou impunidade e esquecimento de grandes tragédias

Boechat criticou impunidade e esquecimento de grandes tragédias

Bruno Santos/Folhapress - 20.2.2018

Na edição desta segunda-feira (11), no programa Café com Jornal, o jornalista Ricardo Boechat comentou sobre a negligência e impunidade nas grandes tragédias do país, repercutindo a reportagem de capa do jornal O Globo. 

O jornalista comentou que as consequências das últimas grandes tragédias não teriam surtido efeito, tanto no campo de punições, como nos poderes legislativo e judiciário. 

Segundo ele, isso aconteceria pela omissão, pela cumplicidade e pela burocracia. Boechat também lamentou que agentes públicos, privados e seus sócios não pagaram pelas tragédias. Entre eles, o incêndio no edifício no largo do Paissandú, a tragédia de Mariana, o incêndio da Boate Kiss e o naufrágio na Baía de todos os Santos, em Salvador.

Leia também: Ricardo Boechat atuou nos principais veículos de mídia do País

Na edição, Boechat falou ainda sobre a falta do alvará dos bombeiros no Ninho do Urubu, e criticou a direção do Flamengo que afirmaram que a inspeção não ocorreu por conta da dificuldade e burocracia com as autoridades. O jornalista ainda afirmou que as pessoas devem questionar a si mesmas, como sociedade, se querem continuar lidando com essas tragédias, pranteando-as no início, e esquecendo-as logo depois.

"Entregaram porque, por conta da pressão, a empresa que certificou Brumadinho, começou a entregar ao Ministério Público Federal a verdade por trás daquele laudo. É preciso que as consequências sejam mais rápidas no campo da ação policial, no campo do Ministério Público, para que não fique no 'oba-oba' que é depois apoiado pelo esquecimento, pela nossa velha tradição de deixar pra lá e tocar adiante, e não produzir manchetes como essa todas as semanas", falou.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Ingrid Alfaya

Últimas