Em SP, Cantareira opera abaixo da metade no último dia de 2019

Os demais mananciais operaram, segundo a Sabesp, acima da média, no entanto, todos estes registraram variações negativas nesta terça-feira (31)

Em SP, Cantareira opera abaixo da metade no último dia de 2019

Em SP, Cantareira opera abaixo da metade no último dia de 2019

Agência Estado/Luis Moura

O Sistema Cantareira, que abastece os domicílios da Grande São Paulo, operou abaixo da metade da capacidade nesta terça-feira (31), último dia de 2019.

De acordo com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), que administra o sistema, Cantareira funcionou com 40,4% de eficácia, sob nenhuma variação – assim como o São Lourenço (58,9%).

Leia mais: Água desperdiçada no país equivale a quase sete sistemas Cantareira

Os demais mananciais operaram, ainda segundo o órgão, acima da média: Alto Tietê (76,8%), Guarapiranga (64,5%), Cotia (73,8), Rio Grande (82,9%) e Rio Claro (98,1%). No entanto, todos registraram variações negativas: -0,2%, -0,4%, -0,4%, -0,2% e -0,5%, respectivamente.

Do total armazenado dos mananciais na região metropolitana de São Paulo, o sistema operava com 57,0%, sob variação de -0,1%.

Dados mostram volume operado em cada sistema que abastece SP

Dados mostram volume operado em cada sistema que abastece SP

Reprodução Sabesp

Veja também: População de SP teve que racionar água pelo menos três vezes nos últimos 15 anos

Crise

O Estado de São Paulo enfrentou uma crise de água em 2014. Na ocasião, o Cantareira caiu tanto que chegou no volume morto, nome dado a reserva que fica abaixo do ponto de captação de água. A Sabesp teve que reduzir a pressão dos canos de distribuição, o que secou torneiras de milhões de pessoas por um determinado período. 

Cantareira, que abastecia 8,8 milhões de pessoas, chegou a atender cerca de 5 milhões no auge da crise. Dois anos depois, o então governador Geraldo Alckmin (PSDB) dissera que a Grande São Paulo não enfrenta falta d'água.