São Paulo Em SP, mais de dois mil PMs já têm câmeras acopladas ao corpo 

Em SP, mais de dois mil PMs já têm câmeras acopladas ao corpo 

Medida anunciada após explosão da violência policial no estado também visa garantir mais proteção aos próprios agentes durante ocorrências

  • São Paulo | Do R7

Policiais com câmeras acopladas ao corpo durante atendimento de ocorrência

Policiais com câmeras acopladas ao corpo durante atendimento de ocorrência

Márcio Neves/ R7

O estado de São Paulo tem, desde o dia 1º de agosto, 2,5 mil policiais militares utilizando câmeras corporais durante o trabalho diário nas ruas. A medida foi anunciada em julho, após explosão da mortalidade policial e flagrantes de abusos cometidos por agentes, mas deve gerar mais proteção também aos próprios policiais, de acordo com comandantes da corporação.

Leia mais: Sem controle efetivo, retreinar PM é insuficiente para conter abusos

As ocorrências gravadas podem fortalecer as provas colhidas em processos judiciais e apaziguar potenciais conflitos, que ocorreriam caso a ação não estivesse sendo filmada.

No total, são 585 câmeras usadas em revezamento. Até o final do ano, a PM pretende adquirir mais 2,5 mil novas câmeras, um investimento de R$ 7 milhões.

De acordo com o secretário de Segurança Pública de São Paulo, general Campos, o número deve ser ampliado até chegar a 10 mil, para equipar todas as unidades do estado de São Paulo. 

Leia mais: Após agressões e assassinatos, polícia de SP fará 'retreinamento'

Com capacidade para captar som e imagens, as câmeras são acopladas aos uniformes dos policiais e acionadas em todas as abordagens, fiscalizações, buscas, varreduras, acidentes e demais interações com o público. Os dados são registrados em um sistema de armazenamento na nuvem, vão para um software de custódia e podem ser acessados remotamente por autoridades de segurança e judiciais sempre que necessário.

Fora isso, as imagens serão protegidas, invioláveis e, enquanto o caso estiver em investigação, não poderão ser divulgadas.

Últimas