São Paulo Empresário que matou jovem atropelado é preso em SP sem CNH

Empresário que matou jovem atropelado é preso em SP sem CNH

Segundo a polícia, ele confessou ter ingerido bebida alcoólica antes de atingir Kauã dos Santos, de 17 anos, que estava numa bicicleta

  • São Paulo | André Carvalho, da Agência Record

Um empresário de 39 anos foi preso em flagrante por homicídio culposo e por dirigir um Volvo V40 embriagado e atropelar e matar Claudemir Kauã dos Santos Queiroz, de 17 anos, que estava em uma bicicleta. O acidente aconteceu na avenida Corifeu de Azevedo Marques, no Butantã, zona oeste de São Paulo, por volta das 22h50 desta quinta-feira (10).

De acordo com o boletim de ocorrência, registrado no 14º Distrito Policial, de Pinheiros, policiais militares da 2ª Companhia do 1º Batalhão de Trânsito foram acionados e, no local, encontraram várias pessoas que tentavam agredir o suspeito. Kauã já havia sido socorrido e levado ao Hospital Universitário.

O empresário foi separado das pessoas. Ele apresentava sinais de embriaguez, como olhos avermelhados, fala desconexa e exaltação. O suspeito se recusou a fazer o teste de bafômetro, mas informou aos policiais que consumiu bebida alcoólica entre 16h e 17h.

Segundo testemunhas, o veículo atingiu Claudemir Kauã na faixa de pedestre e arrastou o jovem por cerca de 30 metros até parar. No hospital, os médicos constataram a morte de Kauã.

Kauã tinha acabado de ser pai e morreu quando voltava para casa

Kauã tinha acabado de ser pai e morreu quando voltava para casa

Reprodução Record TV

O suspeito foi levado para o Hospital Bandeirantes para atendimento médico. Muito alterado, ele precisou ser algemado ao ser conduzido à delegacia.

O empresário estava com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) suspensa e não portava o documento na hora do acidente. A suspensão da CNH terminaria no dia 15.

Kauã havia acabado de se tornar pai. De acordo com a família da vítima, ele já estava retornando para a casa no momento do acidente. O jovem, pai de um bebê de menos de 1 mês, trabalhava como entregador do aplicativo Rappi.

Últimas