Enel não vai cortar energia de inadimplentes até o final de agosto

Medida pretende garantir mais tempo para clientes negociarem parcelamento de contas em aberto com a distribuidora que atende a Grande São Paulo

Procon já recebeu mais de 50 mil reclamações por sobrepreço em contas de luz

Procon já recebeu mais de 50 mil reclamações por sobrepreço em contas de luz

CESAR CONVENTI/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Os clientes que não pagarem a conta de luz não sofrerão corte de energia por inadimplência até o dia 31 de agosto, informou a Enel, distribuidora de energia elétrica em 24 municípios da Grande São Paulo (incluindo a capital), em nota divulgada nesta terça-feira (11).

De acordo com a empresa, amedida pretende garantir mais tempo aos clientes para negociarem o parcelamento das contas em aberto com a distribuidora, após a retomada da leitura presencial dos medidores.

Leia mais: Conta de luz mais cara? Saiba como conferir se o valor está certo

Após o recebimento do aviso de inadimplência, que virá impresso na conta de energia, o cliente terá ainda até 15 dias para negociar as cobranças, antes que o corte seja efetuado.

Além disos, o Procon-SP anunciou um acordo com empresa para parcelar automaticamente a conta de luz dos clientes que reclamaram de cobranças a mais na conta de luz após a retomada da leitura dos medidores.

As leituras dos relógios medidores de energia foram interrompidas no início do mês de março, por causa da pandemia do novo coronavírus. Durante esta época, ou os clientes realizavam a medição, por autoleitura, ou eram cobrados a partir de uma média dos gastos dos últimos 12 meses, calculada pela distribuidora.

Desde então, foram registradas mais de 50 mil reclamações no Procon-SP por sobrepreço nas cobranças realizadas na média da distribuidora. O problema gerou fila e aglomerações nas agências da Enel em São Paulo.

O Ministério Público investiga a situação, e pede para que a concessionária Enel reembolse os valores adicionais cobrados nas contas de energia elétrica dos clientes da capital paulista e da Grande São Paulo nos meses de junho e julho.