São Paulo Enem: escolas de SP que estiverem sem energia terão geradores elétricos, diz governo federal

Enem: escolas de SP que estiverem sem energia terão geradores elétricos, diz governo federal

Na região metropolitana, 1,4 milhão de clientes foram prejudicados, e a previsão de solução completa é apenas para terça-feira (7)

  • São Paulo | Do R7

Escolas terão geradores

Escolas terão geradores

Alexandre Campbell/Agência Brasil

Os ministros de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e da Educação, Camilo Santana, afirmaram que haverá fornecimento de energia elétrica nos locais de realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em São Paulo.

A declaração foi feita a partir do trabalho de coordenação junto às distribuidoras de energia, após as fortes chuvas que afetaram o estado. As provas estão marcadas para este domingo (5).

A saída foi uma alternativa para evitar que alunos sejam prejudicados. A chuva que atingiu o estado de São Paulo afetou o fornecimento de energia em várias regiões. Na região metropolitana, 1,4 milhão de clientes foram prejudicados, e a previsão de solução completa é apenas para terça-feira (7).

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, nos locais onde a rede de energia elétrica não for restabelecida por meio do sistema de distribuição, as concessionárias deverão alocar geradores para garantir o atendimento do local de prova, sem comprometimento no direito dos estudantes de participar do ENEM.

Na manhã deste sábado (4/11), o ministro também determinou abertura de sala de situação para acompanhamento do fornecimento de energia elétrica no estado de São Paulo. 

O governo de São Paulo diz que manteve contato com o ministério desde a manhã reforçando o pleito. A queda de energia pode durar até terça-feira em bairros de São Paulo. "O governo federal confirmou que as concessionárias irão alocar geradores nos locais de prova em que o fornecimento de energia elétrica não for restabelecido pelas redes de distribuição", informou a gestão Tarcísio. 

O Governo de São Paulo também permanece em contato com as concessionárias de energia elétrica, que atuam sob regulação federal, para reforçar a necessidade de esforço emergencial e a urgência na normalização do fornecimento em todos os locais que permanecem sem energia. A gestão estadual orientou prioridade máxima nos religamentos de eletricidade em hospitais, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e locais de provas do Enem.

Até o início da tarde, as concessionárias Enel, CPFL e EDP informaram desligamentos de energia nas cidades de São Paulo, Osasco, Ourinhos, Avaré, Itapetininga, Sorocaba, Salto, Itu, Indaiatuba, Santos, Bauru, Jaú, Piracicaba, Americana, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba, Suzano, São Sebastião, Ferraz de Vasconcelos, Biritiba Mirim, Guararema, Salesópolis, Poá, Guaratinguetá, Caraguatatuba, São José dos Campos, Taubaté, Lorena, Santa Branca, Pindamonhangaba, Jacareí, Caçapava, Monteiro Lobato, Cachoeira Paulista, Roseira, Tremembé, Aparecida, Cruzeiro, Jambeiro, Potim e Canas.

Abastecimento de água

A Sabesp está em contato com as concessionárias de eletricidade e solicita que a população reduza o consumo de água até a normalização completa dos serviços. Sem energia, houve paralisação em diversas instalações e estações elevatórias, reduzindo o nível dos reservatórios da companhia.

Até o fim da tarde, os pontos mais críticos na capital ficavam nas regiões de Americanópolis, São Mateus, Itaquera, Vila Mariana, Vila Clara, Santa Etelvina, Guaianases, Cidade Tiradentes, Vila Mascote, Vila Santa Catarina, Vila Joaniza, Campo Grande, Jardim Promissão, Pedreira, Cidade Ademar, Chácara Flora, Morumbi e Capão Redondo.

Na Grande São Paulo, o desabastecimento afeta os municípios de Itapecerica da Serra, Mauá, Cotia, Santo André, Diadema, Osasco, Barueri, Guarulhos, Taboão da Serra, Itaquaquecetuba, Biritiba Mirim e Suzano.

A Sabesp está trabalhando de forma emergencial para abastecimento dos locais críticos com caminhões-tanque, mas ainda não há uma previsão para o restabelecimento total do fornecimento regular de água.

Defesa Civil

Os acidentes decorrentes das chuvas extremas provocaram seis mortes em todo o estado, segundo a Defesa Civil. Uma pessoa morreu em Limeira, atingida por um muro; uma em Osasco, após queda de árvore sobre um carro; uma em Santo André, atingida por destroços que caíram de um prédio; e uma em Suzano e duas na capital, todas após quedas de árvores. A Defesa Civil também atendeu cerca de cem desabamentos em todo o estado, em ocorrências com danos em muros, casas e destelhamentos de imóveis.

As Defesas Civis estadual e municipais e o Corpo de Bombeiros registraram mais de 2 mil chamados em ocorrências em 40 cidades. Até o momento, não há previsão de novas tempestades e vendavais para os próximos dias.

Últimas