Novo Coronavírus

São Paulo Enfermeiro responsável por falsa aplicação de vacina é afastado

Enfermeiro responsável por falsa aplicação de vacina é afastado

Prefeitura de SP informou que foi constatado líquido na seringa descartada. Após denúncia, idosa foi devidamente imunizada

PMs são acionados após denúncia de vacinação falsa do Clube Paulistano

PMs são acionados após denúncia de vacinação falsa do Clube Paulistano

Reprodução

O enfermeiro responsável por aplicar uma dose de imunizante de forma incorreta no braço de uma idosa, de 67 anos, foi afastado. A informação foi confirmada nesta terça-feira (13) pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). 

Por meio de nota, a administração municipal informou que foi constatado imunizante na seringa descartada e o profissional responsável foi desligado da rede municipal de saúde. Após a denúncia, a dose de vacina foi devidamente aplicada na idosa.

A aprefeitura informou ainda que, em casos de relato de não-conformidade em campanha de vacinação, é aberta Sindicância Interna para apuração e adoção de medidas cabíveis. "A pasta reforça que vem atuando por meio do Programa Municipal de Imunização (PMI) para combater quaisquer irregularidades. Constatada a não aplicação do imunizante, o funcionário (a) é desligado (a) imediatamente", afirmou o órgão por meio de nota.

O caso ocorreu na segunda-feira (12) quando a família de uma senhora de 67 anos denunciou a falsa aplicação de uma dose da vacina contra a covid-19 na rua Honduras, número 400, dentro do Clube Paulistano, nos Jardins, na zona oeste de São Paulo. Um boletim de ocorrência eletrônico foi registrado na Polícia Civil.

Um vídeo gravado pelos familiares mostrou o enfermeiro apenas perfurando o braço da idosa, sem pressionar a seringa. Os parentes de Solange Duarte notaram a manobra e questionaram imediatamente o profissional.

Segundo o filho Wesley, que acompanhava a mãe na vacinação, o enfermeiro ficou nervoso com as perguntas e admitiu que poderia ter se equivocado. O profissional da saúde ofereceu aplicar 0,3 ml da vacina "como reforço" — o indicado pela Anvisa é 0,5 ml —, mas a família não aceitou e chamou a Polícia Militar.

Quando chegaram ao local, os policiais militares pediram para olhar a caixa de descarte e, segundo o denunciante, encontraram outras seringas com vacinas não aplicadas. Os responsáveis por coordenar a vacinação no clube se desculparam pelo erro e, por fim, uma dose da Coronavac foi aplicada para que os familiares pudessem ver.

Em nota, o Paulistano informou que "tem plena confiança nas autoridades responsáveis para que sejam tomadas as providências necessárias".

Confira a íntegra da nota emitida pelo Clube Paulistano:

"Em cumprimento às determinações do Plano São Paulo de combate à pandemia, o Paulistano interrompeu as atividades disponibilizadas a seus associados em 6/3. O único local em funcionamento é a garagem do Clube, utilizada pela Secretaria Municipal da Saúde como posto de vacinação contra a covid-19, desde 4/3. O Paulistano não participa da operação, para a qual apenas cede, gratuitamente, suas instalações.

Ao tomar conhecimento de notícias que relatam incorreto procedimento em processo de vacinação nesta segunda-feira, 12/4, o Clube informa que tem plena confiança nas autoridades responsáveis para que sejam tomadas as providências necessárias".

Últimas