São Paulo Envenenamento de marmitas em SP completa 2 meses e não há presos

Envenenamento de marmitas em SP completa 2 meses e não há presos

Menino ainda está internado e teve sequelas neurológicas após ingerir chumbinho colocado na refeição recebida pelo pai de um morador de rua 

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Envenenamento de marmitas m SP completa dois meses e não há presos

Envenenamento de marmitas m SP completa dois meses e não há presos

Reprodução/ Record TV

O envenenamento das marmitas em Itapevi, na Grande São Paulo, completou dois meses nesta terça-feira (22) e até o momento nenhum suspeito do crime foi preso. Dois moradores de rua morreram após ingerir o alimento com chumbinho e um menino permanece internado desde então. As informações são da Record TV

Fábio Abraão de Araújo, de 11 anos, teve sequelas neurólogicas e ainda está no Hospital Geral de Pirajussara. Flávio Araújo, o pai, foi quem ofereceu a marmita ao filho e à namorada depois de recebê-la de um morador de rua. Agora ele quer que o filho continue o tratamento em casa e reclama do hospital.

Para isso, a pequena casa da família em Itapevi vai precisar ser adaptada para receber uma cama hospitalar e os aparelhos necessários para o tratamento de Fábio. Desempregado, o pai não sabe como vai pagar pelo tratamento, uma vez que o filho se alimenta apenas por sonda. O menino precisa também fazer fisioterapia.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, Fábio só vai ter alta após um parecer médico. Ele está internado desde 22 de julho no hospital em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. 

Veja mais: Vídeo mostra distribuição de marmita para moradores de rua em Itapevi

O menino não consegue falar, reconhecer familiares e ainda sente dores fortes. A irmã dele se comprometeu a ajudar o pai a cuidar do irmão quando ele for para casa.

Investigação

O delegado de Itapevi, que investiga o caso, ainda não recebeu os laudos necroscópicos dos dois moradores de rua: Vagner Aparecido Gouveia de Oliveira, de 37 anos, e José Araujo Conceição, de 61 anos. Ele já ouviu mais de 20 testemunhas, mas nenhum suspeito foi detido.

Leia também: Laudo descarta contaminação de marmitas em cozinha de igreja

O laudo descarta que as marmitas tenham sido envenenadas dentro da cozinha onde foram preparadas. A polícia considera a hipótese de vingança contra os moradores de rua.

Para Flávio Araújo, é urgente descobrir quem envenenou as marmitas: "Quanto mais tempo demora, mais difícil é pra prender quem fez isso".

Últimas