São Paulo Escavadeira é usada para resgatar vítimas das chuvas, em Jaú (SP)

Escavadeira é usada para resgatar vítimas das chuvas, em Jaú (SP)

A exemplo de ação na zona oeste da capital, PMs da cidade interiorana usaram o equipamento para retirara pessoas ilhadas pela enchente

 

Policiais militares do Radiopatrulhamento e do Corpo de Bombeiros de Jaú, município localizado a cerca de 300 quilômetros de São Paulo, utilizaram uma retroescavadeira como instrumento para transportar moradores do bairro Bela Vista, ilhadas pelas fortes chuvas que atingiram a cidade durante a madrugada desta terça-feira (11).

Leia também: Inundação da Ceagesp provoca prejuízo de R$ 20 milhões

A ação foi semelhante à adotada, um dia antes, por um operador de trator durante a enchente que afetou a região da Barra Funda, na zona oeste da capital. Na ocasião, várias pessoas que estavam ilhadas conseguiram deixar a região alagada com o uso do veículo.

 

Segundo informações da corporação, o equipamento foi importante na operação de resgate de 22 pessoas que estavam impossibilidades de deixar as próprias residências. Entre as vítimas, havia muitos idosos e um cadeirante. Um cachorro também foi salvo. Vizinhos apoiaram as equipes de salvamento.

 

Balanço das chuvas no Estado

Segundo as autoridades estaduais, cinco pessoas morreram em decorrência do temporal que caiu sobre várias cidades na região metropolitana de São Paulo e no interior. Foram registradas quatro mortes em Botucatu e outra em Marília.

Em Araçariguama, um balanço divulgado pela Defesa Civil Estadual revela que o município tem cinco pessoas desalojadas e outras 20 desabrigadas em razão do transbordamento do Rio Tietê, que corta a cidade. No entanto, o  número é parcial e deve aumentar.

Com as fortes chuvas, o volume de água do Tietê aumentou consideravelmente e, sem capacidade de vazão, a água extravasando em direção às margens até atingir as casas construídas na área de várzea.

Pirapora do Bom Jesus é outro município afetado pela cheia do rio. A comporta da barragem trabalha com 20% acima do limite. De acordo com a prefeitura, tal situação não é registrada há aproximadamente 14 anos. Foi decretado estado de atenção na cidade.

Na capital estadual, diversas regiões sofreram ruas, casas invadidas pelas águas e deslizamentos de encostas. Em Osasco, na Grande São Paulo, um desmoronamento destruiu casas construídas no Morro do Socó. Uma menino de sete anos ficou soterrado, mas foi resgatado com vida.