Coronavírus

São Paulo Escolas estaduais de São Paulo voltam no dia 1º de fevereiro

Escolas estaduais de São Paulo voltam no dia 1º de fevereiro

Secretário anunciou que estudantes que não entregaram atividades neste período de pandemia poderão reprovar e refazer a mesma série em 2021

  • São Paulo | Karla Dunder, do R7

Rossieli define calendário para 2021

Rossieli define calendário para 2021

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Os estudantes da rede estadual de São Paulo devem retornar às aulas no dia 1º de fevereiro de 2021. A informação foi dada pelo Secretário Estadual de Educação, Rossieli Soares, na manhã desta quarta-feira (11).

Apesar do anúncio, o Secretário destacou que até fevereiro serão definidas se as atividades serão presenciais, remotas ou parcialmente presenciais, dependendo das orientações da Secretaria de Saúde em função da pandemia de coronavírus.

Leia mais: SP anuncia volta às aulas do ensino médio dia 7 de outubro

A Secretaria trabalha com o conceito de "ciclo de aprendizagem 2020-2021". A propsista é que o conteúdo previsto para 2020 e 2021 seja avaliado no final de 2021. No entanto, Rossieli destacou que os alunos que não entregaram as atividades durante esta fase de ensino remoto, serão reprovados e terão de fazer a mesma série em 2021.

Os estudantes deverão fazer avaliações obrigatórias em dezembro para que seja possível saber o que foi assimilado durante as aulas remotas neste período de isolamento. Também será realizada uma nova avaliação em janeiro.

Leia mais: SP confirma volta às aulas do 3º ano do ensino médio para esta quarta

Com base nessas avaliações, os professores farão um plano de recuperação para os alunos que precisarem. Estudantes do último ano do ensino médio poderão optar por fazer um quarto ano optativo, para auxiliar com o conteúdo para os vestibulares e Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). 

"Para o quarto ano opcional, já tivemos 30 mil matrículas, um número maior que expectativa e acreditamos que ainda poderá ser maior no começo do ano, com os resultados do pós vestibular", avalia o secretário.

Com relação às aulas de reforço da educação básica, Rossieli destacou que "a ideia é contratar dez mil professores, temporários ou por adesão, que vão acompanhar os alunos durante todo o ano de 2021."

Últimas