São Paulo Esquartejado de Higienópolis: prostituta assassinou o amante no prédio onde trabalhava

Esquartejado de Higienópolis: prostituta assassinou o amante no prédio onde trabalhava

Três mulheres foram presas suspeitas de envolvimento na morte do motorista Álvaro Pedroso

Esquartejado de Higienópolis: prostituta assassinou o amante no prédio onde trabalhava

Edifício da rua dos Andradas, onde o crime aconteceu

Edifício da rua dos Andradas, onde o crime aconteceu

Reprodução/ Google Maps

Marlene Gomes, prostituta, amante e assassina confessa do motorista Álvaro Pedroso, morto e esquartejado em março deste ano e que teve partes do corpo espalhadas por ruas de Higienópolis, bairro nobre da região central de São Paulo, não morava no edifício onde ocorreu o crime.

Ela trabalhava no prédio com o nome de guerra de Mole ou Molly, como conta uma colega que não quis se identificar.  

— Ela nem passava as noites aqui.  

O dia do crime, sábado, 22 de março, pode ter sido escolhido por ser o mesmo dia de folga da zeladora do edifício. A colega contou que cerca de 300 prostitutas trabalham no prédio e que grande parte não mora no local.  

— Tem até mais de 40 que fazem faculdade.  

Suspeita diz que motorista era violento e amante planejou morte

Esquartejador de Higienópolis é extremamente frio, analisa psiquiatra forense

As que ficam, segundo ela, não podem entrar nem sair do edifício após as 20h45, quando uma sirene é acionada como aviso para que clientes e prostitutas, que não moram no local, deixem o prédio. Segundo ela, Marlene ou Mole não poderia ter entrado no edifício nesse dia.  

— Alguém abriu a porta para ela sem autorização.  

No dia do crime, nenhuma das três mulheres deveria estar no edifício, o que reforça a tese da polícia do crime ter sido premeditado.  

A mesma fonte informou que Marlene bebia muito e que um dos carrinhos usados para transportar partes do corpo não foi comprado recentemente.  

— Ela entrava com bebidas [conhaque e vodca] escondidas no carrinho e também drogas para Sheylla, outra das acusadas de envolvimento no crime.  

Polícia investiga se garota de programa é amante de suposta vítima

Marlene disse à polícia que matou o amante por causa do sadismo sexual dele, além das ameaças de matá-la e a filha se contasse para alguém. Ela disse ainda que cortou o pênis para se vingar das práticas sexuais bizarras praticadas por ele.