São Paulo Estado de São Paulo tem mais de 1.500 obras paradas e atrasadas

Estado de São Paulo tem mais de 1.500 obras paradas e atrasadas

São 1.591 obras com problemas em todo o estado com contratos que somados, passam dos R$ 49 bilhões

Estado de São Paulo tem mais de 1.500 obras paradas e atrasadas

Renato S. Cerqueira/Estadão Conteúdo

Segundo um levantamento realizado pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), o Estado de São Paulo , incluindo a capital e os municípios, possuem mais de 1.500 obras paralisadas e atrasadas.

Leia mais: Com mais 17 meses, Covas direciona obras para revitalizar centro de SP

Os números apontam os contratos dessas obras somam mais de R$ 49 bilhões, entre obras nos municípios e de competência do Estado que estão paradas.

No 1º demonstrativo realizado entre fevereiro e março deste ano, foram consultados 4.474 órgãos dos municípios e do estado quando havia 1.677 obras paradas.

O novo balanço revela que desse número inicialmente registrado, 233 foram concluídas, 43 retomadas e 190 novos empreendimentos foram acrescentados aos dados, totalizando 1.591 no Estado.

Obra mais cara

Do total de obras paralisadas, 268 são de responsabilidade exclusiva do governo do Estado e possuem um valor total de R$ 46 milhões. As seis maiores estão localizadas na capital e envolvem projetos de mobilidade urbana como a construção da Linha 6-Laranja do Metrô, nas obras do Monotrilho - Linha 15-Prata, na Linha2-Verde, na Linha 17-Ouro e na Linha 4-Amarela.

No interior do Estado, a construção de ciclovia em Cubatão e construção de uma escola do Ensino Infantil em Sagres também estão entre as três obras mais caras do Estado, com valores que vão de R$ 804 mil a R$ 1,2 bilhões, respectivamente.

Obras mais atrasadas

O estudo também apontou os empreendimentos que se encontram mais atrasados nos munícípios. O destaque vai para a cidade de Penáplis, que tem a obra mais demorada para ser concluída no estado Paulista, um projeto de urbanização, regularização e integração de assentamentos precários, que estava prevista para ser concluída dez anos atrás, em 2009 ao custo de R$ 1,8 bilhão.