São Paulo Estado é condenado a contribuir com despesas do Samu na capital

Estado é condenado a contribuir com despesas do Samu na capital

Falta de financiamento por parte do governo do estado seria uma das razões pelas quais o serviço 192 não dá conta de atender a todos os chamados

  • São Paulo | Do R7

Município de São Paulo fica responsável por 25% dos custos do serviço

Município de São Paulo fica responsável por 25% dos custos do serviço

Carlos Ezequiel Vannoni/ Agência Pixel Press/ Estadão Conteúdo - 26.05.2020

O governo do Estado de São Paulo foi condenado, em uma ação proposta pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo), a contribuir para o custeio das despesas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) na capital.

Leia também: "Ele já nos ameaçou de morte", diz operário que inalou gás de pimenta

Com a decisão, os serviços oferecidos pelo Samu agora contam com recursos humanos e materiais compatíveis com a demanda de atendimento dos pacientes do SUS na cidade de São Paulo.

A ação foi ajuizada pela promotora de Justiça de Direitos Humanos - Área de Saúde Pública Dora Martin Strilicherk, após a constatação de que a falta de financiamento pelo governo do estado é uma das razões pelas quais o serviço 192 não dá conta de atender a todos os chamados.

Leia também: Protesto por morte de jovem pela polícia termina em confusão em SP

A partir de agora, as despesas com o Samu devem ser compartilhadas entre União (50%), Estado (mínimo de 25%) e município de São Paulo (25%).

Últimas