São Paulo "Estava terminando a respiração", diz sobrevivente de queda de gruta

"Estava terminando a respiração", diz sobrevivente de queda de gruta

No desmoronamento, nove pessoas morreram e sete foram resgatadas. Diego Gomes descansava quando o teto desabou

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

"Parece que eu estava mergulhando", diz sobrevivente de queda de gruta

"Parece que eu estava mergulhando", diz sobrevivente de queda de gruta

Reprodução Record TV

Nove pessoas morreram após o desmoronamento do teto de uma gruta em Altinópolis, no interior de São Paulo. Seis pessoas ficaram feridas e dez foram soterradas, das quais apenas uma saiu com vida. 

Diego Gomes é um dos sobreviventes. Ainda dentro da ambulância e recebendo cuidados, ele falou com a Record TV: "Eu estava descansando, eu estava num sonho. Parece que eu estava mergulhando, terminando a respiração, aí meu amigo me puxou e eu acordei". Os trabalhos de resgate duraram 18 horas.

 Na Gruta Duas Bocas, havia 28 pessoas. Chovia na hora do treinamento dos bombeiros civis. O teto da gruta desmoronou e teve de ser escorado para evitar novos desabamentos.

Segundo o major do Corpo de Bombeiros Rodrigo Moreira, comandante da operação, aquela é uma área de risco. "Estamos num período muito chuvoso, e trata-se de uma área de risco, uma gruta com características bem arriscadas, então isso pode ter contribuído para o acidente", afirmou.

O ferido em estado grave foi encaminhado para o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

Segundo comunicado do prefeito de Altinópolis, José Roberto Ferracin Marques, cinco vítimas receberam alta hospitalar e duas continuam internadas, com quadro de saúde estável. Ele ressaltou que essa foi a "maior tragédia na história da cidade".

Os corpos estão no IML (Instituto Médico Legal) de Ribeirão Preto.

O local está isolado para a perícia, que deve ser realizada na manhã desta segunda-feira (1º).

Últimas