São Paulo Executivos da Brookfield confirmam ter pagado R$ 4,1 milhões em propina a servidores, diz jornal

Executivos da Brookfield confirmam ter pagado R$ 4,1 milhões em propina a servidores, diz jornal

Valores foram repassados entre 2009 e 2012, para liberar 20 empreendimentos da construtora

Executivos da Brookfield confirmam ter pagado R$ 4,1 milhões em propina a servidores, diz jornal

Funcionários da Brookfield Incorporações disseram em depoimento ao Ministério Público de São Paulo, nesta sexta-feira (1º), que a empresa pagou R$ 4,1 milhões em propina para o grupo de auditores fiscais da Secretaria Municipal de Finanças preso por suspeita de corrupção. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com a publicação, os pagamentos foram feitos entre 30 de novembro de 2009 e 5 de outubro de 2012. Nesse período, o valor desembolsado pela Brookfield foi para liberar 20 empreendimentos lançados na cidade. A propina equivalia a 50% do ISS (Imposto Sobre Serviços) devido.

O Ministério Público apura se a incorporadora fazia parte do esquema fraudulento ou se era vítima dos fiscais. Os promotores já têm, no entanto, informações de que as empresas tinham a opção de recorrer à propina, em vez de pagr o total do imposto.

Os quatro funcionários públicos presos — Ronilson Bezerra Rodrigues, Eduardo Horle Barcellos, Carlos di Lallo Leite do Amaral e Luis Alexandre Cardoso Magalhães — devem continuar a ser ouvidos nesta tarde. A Justiça prorrogou hoje a prisão de Amaral, Leite e Barcellos. 

“É um dos maiores escândalos de São Paulo”, diz Haddad sobre esquema na gestão Kassab

Servidor da gestão Kassab preso por fraude milionária na prefeitura confessa corrupção

O caso

Todos os presos eram servidores da Subsecretaria da Receita da Prefeitura de São Paulo. O Ministério Público e a Controladoria Geral do Município já constataram que o esquema desviou de R$ 200 milhões nos últimos três anos.

Além das prisões, foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas casas dos servidores e sedes das empresas ligadas ao esquema de corrupção. O grupo era investigado há cerca de seis meses pelos crimes de corrupção, concussão, lavagem de dinheiro, advocacia administrativa e formação de quadrilha.