São Paulo Falta de remédio gera fila de espera para pacientes de quimioterapia do Pérola Byington

Falta de remédio gera fila de espera para pacientes de quimioterapia do Pérola Byington

Medicamento utilizado nos casos de câncer de mama chegou pela última vez em novembro, e há 2 meses há espera por tratamento

  • São Paulo | Do R7

Fachada do hospital Peróla Byington, no centro de São Paulo

Fachada do hospital Peróla Byington, no centro de São Paulo

Reprodução Google Street View

Pacientes que fazem tratamento de quimioterapia no Hospital Peróla Byington, no centro de São Paulo (SP), estão há dois meses sem tratamento devido à falta do medicamento Pertuzumabe, segundo relatos de funcionários da instituição ao R7.

Uma funcionária disse, sob anonimato, que a medicação chegou à unidade pela última vez em novembro e, desde então, as dosagens foram administradas conforme os médicos pediam para os pacientes.

Sem novas remessas, recentemente, o medicamento ficou escasso, gerando uma fila entre pacientes que fazem o tratamento, chegando a dois meses de espera.

“Eles não estão mandando e a gente está mantendo essas pacientes para tomar conforme as dosagens que estão aqui”, relatou a funcionária.

O medicamento é utilizado no tratamento nos casos de câncer de mama e o uso foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em novembro de 2013.

O R7 entrou em contato com a SES-SP (Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo) e o Ministério de Saúde, responsável pela distribuição dos medicamentos, sobre a falta do remédio no Peróla Byington.

Em resposta, a SES informou que a aquisição e distribuição são de responsabilidade do Ministério da Saúde, e disse também que o item será regularizado no hospital até o final desta semana.

Já o Ministério da Saúde afirmou que o govenro do estado de São Paulo havia solicitado um quantitativo do medicamento na apresentação de 420 miligramas para o primeiro trimestre deste ano. Segundo a pasta, a demanda feita pela SES-SP já foi 100% atendida. 

Na apresentação de 840 miligramas, o fármaco não faz parte do rol de medicamentos do ministério.

Últimas