São Paulo Feminicídios crescem e registros de violência doméstica caem em 2020

Feminicídios crescem e registros de violência doméstica caem em 2020

Segundo Anuário, número de feminicídios registrados no primeiro semestre desse ano cresceu 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Registros de violência contra a mulher caem no 1º semestre desse ano

Registros de violência contra a mulher caem no 1º semestre desse ano

Freepik

O número de feminicídios registrados no primeiro semestre desse ano cresceu 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado. O Anuário de Segurança, divulgado nesta segunda-feira (19), contabilizou 648 vítimas este ano em relação às 636 registradas no primeiro semestre de 2019. O estudo revelou ainda que as mortes violentas intencionais voltam a crescer no 1º semestre de 2020 em todo o país.

Em relação aos casos de violência contra a mulher durante a pandemia, o Anuário registrou uma queda no número de registros em delegacias. A diminuição foi de 9,9% em registros de agressão em decorrência de violência domésica. Ao mesmo tempo, aumentaram os chamados para o número 190 e cresceu 3,8% o número de acionamentos da PM para casos de violência doméstica.

Leia mais: Uma pessoa é estuprada a cada 8 minutos no país, aponta Anuário

De acordo com a pesquisadora Amanda Pimentel, entre os motivos que explicam a diminuição nos registros de agressão e violência doméstica, estão: maior presença do agressor junto à vítima, restrição da rede apoio à mulher, maior tempo de trabalho doméstico, entre outros fatores. 

Para a coordenadora institucional do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Juliana Martins, o agressor, na grande maioria dos casos, é conhecido da vítima e foge ao esteriópito do agressor "inimigo do Estado", cujos agentes de segurança estão preparados para enfrentar. "São pessoas que fazem parte das famílias das vítimas. Além de demonstrar perversidade, o crime mostra a dificildade em lidar com esse tipo de agressor."

Leia mais: Quase 5 mil crianças foram vítimas de assassinato em 2019, diz estudo

Em relação à violência doméstica e sexual em 2019, o estudo contabilizou uma agressão a cada dois minutos, o que resultou em um total de 266.310 registros de lesão corporal dolosa em decorrência de violência doméstica. Em 2019, 1.326 mulheres foram vítimas de feminicídio, 66,6% eram negras, 56,2% tinham entre 20 e 39 anos e 89,9% foram mortas pelo companheiro ou ex-companheiro.

Últimas