Fila de espera de ambulâncias chega a 5 horas no hospital do Ibirapuera

Unidade de campanha recebe pacientes com covid-19, mas nesta madrugada apenas uma médica estava no plantão, segundo denunciante

Espera para desembarcar pacientes foi de até 5 horas na madrugada desta quinta

Espera para desembarcar pacientes foi de até 5 horas na madrugada desta quinta

Reprodução / Arquivo Pessoal

Uma extensa fila de mais de 20 ambulâncias que iriam desembarcar pacientes com sintomas de covid-19 foi registrada na madrugada desta quinta-feira (4) no hospital de campanha do Complexo Esportivo do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo. A espera foi de até cinco horas. A unidade, administrada pela Secretaria Estadual de Saúde, foi inaugurada em 1º de maio para desafogar os hospitais da rede pública em meio à pandemia do novo coronavírus.

"Cheguei 0h30 e saí 5h30 do hospital. Cinco horas de espera com paciente dentro da ambulância. Ele estava usando catéter, mas já tinha ido um cilindro. Um descaso. Nunca passei por isso, não é brincadeira", afirmou ao R7 o motorista de uma ambulância particular que não quer ser identificado.

Leia mais: Alta de casos de covid-19 se deve à ampliação dos testes, diz governo de SP

Segundo ele, uma funcionária afirmou que havia apenas uma médica de plantão: "A mulher falou que estava faltando funcionário e que só tinha uma médica, por isso estavam fracionando o atendimento".

O denunciante revelou ainda que foi a primeira vez que ele se dirigiu ao hospital de campanha do Ibirapuera: "No hospital do Pacaembu, em 20 minutos resolve, no Anhembi até 30 minutos, mas cinco horas é um descaso". 

Veja também: Mais de 60% das crianças e mães não se vacinaram contra gripe

Assim como ele, as outras equipes em ambulâncias não conseguiram nem jantar aguardando a vez para atendimento.

O estado de São Paulo tem 123.483 casos confirmados de covid-19 e 8.276 óbitos pela doença. Apenas na capital paulista são 72.171 confirmações e 4.480 mortes. Outros 4.251 óbitos estão em investigação na cidade. Segundo a prefeitura, a ocupação dos leitos de UTI era de 64% na capital nesta quarta-feira (3).

Leia ainda: Testes são entrave na negociação para reabertura em São Paulo

Hospital do Ibirapuera está em funcionamento há pouco mais de 1 mês

Hospital do Ibirapuera está em funcionamento há pouco mais de 1 mês

MARCELO D. SANTS/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO - 17.04.2020

Hospital de campanha

No Ibirapuera, a estrutura tem 240 leitos de baixa complexidade e outros 28 leitos de estabilização. Há também salas de descompressão, consultórios médicos e tomografia.

A unidade é composta por duas tendas, montadas sobre uma área de 7.500 metros quadrados sobre o gramado e parte da pista de atletismo do complexo.

Veja mais: Nas periferias de SP, empresários se adaptam para superar quarentena

Na inauguração, o governo de São Paulo prometeu que haveria 800 profissionais em atividade no local. Ao todo, seriam 213 médicos, 444 profissionais de enfermagem, 33 fisioterapeutas, 14 farmacêuticos, dez assistentes sociais, oito nutricionistas, cinco psicólogos, dois fonoaudiólogos, 52 profissionais de apoio técnico e 19 recepcionistas.

O outro lado

A Secretaria Estadual de Saúde enviou como resposta uma nota em que declara:

"A reportagem é totalmente enviesada e incorreta. Havia 103 profissionais de saúde no Hospital de Campanha do Ibirapuera na noite de ontem (3), incluindo onze médicos. Para garantir atendimento correto e segurança aos pacientes, ao chegarem, todos passam pela etapa de admissão, com estabilização e avaliação clínica, sendo mantidos assistidos em todos os momentos, inclusive dentro das ambulâncias. Ontem, havia pacientes em estado crítico que demandaram mais tempo nessa atenção inicial. O hospital tem 221 pacientes internados, no momento. Já atendeu 815 pacientes e deu 476 altas. A unidade conta com 268 leitos e a taxa de ocupação é de 82,5%."

Veja o vídeo com a fila de ambulâncias: