São Paulo Garoto que alega inocência comenta detenção: 'fiquei muito apavorado'

Garoto que alega inocência comenta detenção: 'fiquei muito apavorado'

Adolescente ficou apreendido após polícia o apontar como suspeito de roubo de celular, mesmo sem encontrar aparelho ou evidências do crime

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Adolescente nos braços dos pais após apreensão

Adolescente nos braços dos pais após apreensão

Reprodução/Record TV

O adolescente de 17 anos apreendido na madrugada de quarta-feira (4) e libertado depois de um dia, após a Vara da Infância e Juventude entender que havia muitas divergências nas apurações sobre um assalto de celular na zona norte de São Paulo, foi recebido com festa pelos vizinhos.

O caso foi denunciado pelo Jornal de Record de quinta-feira (5). Duas horas depois da reportagem, o jovem já estava de volta com os pais.

"Eu fiquei muito apavorado, e só pensava na minha família", afirma o adolescente, após ficar um dia apreendido. Ao retornar para o bairro onde vive, ele foi recebido pelos moradores que filmaram a ação policial e tentaram justificar que ele não havia cometido nenhum crime.

"Eu estava saindo às 5h30 para trabalhar, abri a porta e me deparei com polícia pulando muro. Ele não falou nada e já foi pegando no meu pescoço, me desacordando e eu gritei: socorro, socorro", lembra o adolescente.

Nas apurações policiais, o autor do roubo do celular estava com moletom escuro, armado e de bicicleta. Nas buscas feitas na casa do adolescente, o rapaz estava com blusa clara, e os policiais não encontraram o celular roubado, também não localizou nenhuma bicicleta, nem a arma. Mesmo assim, levaram o rapaz detido.

""Eles não respeitam nós. Aqui é assim. Eles não têm respeito por nós. Aqui pela cor da gente, a gente não tem nem palavra pra falar", diz o pai do jovem, Reinaldo Rufino da Silva. ""É muito doloroso e triste. Isso é marcante em nossas vidas. Ainda sabendo que a pessoa que não fez nada está passando pelo banco do réu para ser julgado, se nós sabemos a verdade, não foi ele".

Mesmo em liberdade, o adolescente ainda vai ter que enfrentar mais uma audiência, daqui 10 dias, para responder sobre esse roubo que ele afirma não ter cometido.

Últimas