Novo Coronavírus

São Paulo Gerente de UBS é preso por desviar vacinas contra gripe em Embu

Gerente de UBS é preso por desviar vacinas contra gripe em Embu

Funcionário terceirizado da prefeitura também foi detido. Com eles foram encontradas oito doses prontas para aplicação em carro particular

  • São Paulo | Edilson Muniz, da Agência Record

Funcionários transportaram 8 vacinas da gripe prontas num carro particular

Funcionários transportaram 8 vacinas da gripe prontas num carro particular

Reprodução / Record TV

O gerente administrativo de um posto de saúde foi preso suspeito de desviar vacinas contra a gripe em Embu das Artes, na região metropolitana de São Paulo por volta das 20h30 desta quarta-feira (25). Um funcionário terceirizado da prefeitura também foi detido. 

A Polícia Militar realizava uma blitz na rua Jaçanã, em Embu das Artes, quando o gerente da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim São Marcos e um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviços para o município foram flagrados transportando oito vacinas da gripe num carro particular.

Leia mais: Em pandemia, cerca de 700 botijões de gás se esgotam em 2 horas em SP

As vacinas estavam em seringas e eram conservadas com uma bolsa de gelo. Elas faziam parte de um lote de vacinação contra a gripe que seria distribuído no município da Grande São Paulo.

Os ocupantes do carro eram o gerente da UBS, de 32 anos, e um funcionário terceirizado, de 28 anos. A dupla seguia sentido capital paulista. Eles confessaram que pegaram as vacinas da UBS São Marcos para aplicar em idosos na cidade de São Paulo. Há suspeita pelo horário, tipo de transporte e por não estar à serviço da prefeitura, de que as vacinas seriam comercializadas.

Veja também: Assistentes sociais apontam precariedade no trabalho em SP

A Prefeitura de Embu das Artes informou que os funcionários iriam vacinar idosos no próprio município, mas que irá apurar possíveis irregularidades na conduta de ambos.

Com os funcionários foram localizados também cerca de R$ 3 mil em dinheiro. A Polícia Civil vai investigar se o gerente do posto de saúde estava realmente vendendo as doses. Se ficar comprovado, ele pode responder por peculato, que é o crime de corrupção por quem ocupa cargos públicos.

As vacinas apreendidas serão descartadas. Os dois homens foram encaminhados para a Delegacia Central de Embu das Artes, onde o caso será investigado.

Últimas