Novo Coronavírus

São Paulo Governador João Doria recebe 2ª dose da vacina contra covid-19

Governador João Doria recebe 2ª dose da vacina contra covid-19

Em coletiva, Doria anuncia início da vacinação de gestantes e puérperas em todo o estado para a quinta-feira (10)

  • São Paulo | Do R7

Governador de São Paulo, João Doria, recebe 2ª dose de Coronavac nesta sexta (4)

Governador de São Paulo, João Doria, recebe 2ª dose de Coronavac nesta sexta (4)

Divulgação Governo de São Paulo

O governador João Doria (PSDB) recebeu na manhã desta sexta-feira (4) a segunda dose da vacina do Instituto Butantan, a CoronaVac, em um posto de saúde da zona oeste de São Paulo, em Pinheiros. A dose do imunizante foi aplicado pela enfermeira Monica Calazans, primeira pessoa vacinada no país contra o coronavírus.

Doria, de 63 anos, recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19 no dia 7 de maio. Na ocasião, ele foi imunizado com uma dose da CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. "Daqui a 14 dias, estarei imunizado, assim como milhões de brasileiros que já tomaram a segunda dose da vacina. Toda vacina aprovada pela Anvisa é uma boa vacina", disse ele. 

Após ser vacinado, o governador informou que na segunda-feira (7) terá início na capital, em São Bernardo do Campo e em Campinas a vacinação de gestantes e puéperas sem comorbidades com mais de 18 anos. A partir de quinta-feira (10), o governador informou que a vacinação deste grupo se iniciará em todo o estado com os imunizantes da Pfizer e Coronavac.

Doria comentou ainda sobre a chegada das 936 mil doses de vacinas da Pfizer que chegaram ao país na quarta-feira (2). Segundo o secretário de saúde estadual, Jean Gorinchteyn, São Paulo recebeu 152 mil doses do imunizante, quantitativo abaixo dos 22,6% garantidos aos estado. 

"Vamos verificar com o Conas (Congresso Nacional de Saúde) se outros estados tiveram redução proporcional e o porquê da diminuição do quantitativo das doses. Vamos protestar judicialmente se isso estiver acontecendo", afirmou Doria. "Precisamos manter a proporcionalidade", completou Gorinchteyn. 

Em relação à iminência de uma terceira onda de covid-19, o secretário de saúde afirmou que o estado de São Paulo ainda está em um patamar elevado nos índices. "Foi orientado que mantivéssemos a fase de transição de uma forma mais estendida", disse. Gorinchteyn pediu ainda a colaboração da população para evitar festas clandestinas e aglomerações.

Dose atrasada

Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde divulgado na quinta-feira (3), aponta que 403.323 pessoas que receberam a primeira dose dos imunizantes estão com a segunda dose atrasada. O total inclui 139.826 pessoas que não tomaram a vacina da Fiocruz/AstraZeneca e outros 263.497 referentes à vacina do Butantan, a Coronavac.

Com base nas estatísticas populacionais previstas pelo Ministério da Saúde para cada faixa etária ou público específico, o governo de São Paulo define as remessas de doses necessárias para uma das 645 cidades avançar em cada etapa da campanha. Os quantitativos de primeira e segunda dose são idênticos, realizados em duas entregas diferentes para que o município realize a aplicação e conclua a imunização das pessoas.

Ainda assim, a pasta encaminhou na semana passada 279.815 doses extras da vacina do Butantan para cerca de 500 cidades. Os imunizantes são exclusivos para a aplicação de segunda dose. Este número foi informado à pasta estadual pelas próprias prefeituras, em consulta realizada aos 645 municípios pelo Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde) na última semana.

Últimas