Novo Coronavírus

São Paulo Governo de SP autoriza jornada de 8h para comércios da fase amarela

Governo de SP autoriza jornada de 8h para comércios da fase amarela

Decreto estadual autoriza ampliação de horário de funcionamento de bares, restaurante e comércios de 6 para 8 horas diretas ou intercaladas

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Governo de SP autoriza abertura de comércio por 8 horas

Governo de SP autoriza abertura de comércio por 8 horas

Anderson Lira / Estadão Conteúdo / 13.06.2020

O vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, autorizou nesta quarta-feira (19), a ampliação do horário de funcionamento de bares, restaurantes e comércios de 6 para 8 horas nas regiões que estiverem na fase amarela do Plano São Paulo. A medida será oficializada por meio de um decreto publicado na sexta-feira (21). Os empresários poderão escolher se adotam uma jornada contínua ou fracionada, respeitando o período determinado.

Leia mais: Cidades de SP não avançam nem regridem em plano de reabertura

O secretário de habitação Flávio Amary afirmou que a mudança é válida para shoppings centers, comércio, serviços, restaurantes, salões de beleza, academias e eventos. "O funcionamento pode ser de forma contínua ou fracionada", disse. "Apesar disso, os prefeitos têm autonomia para aplicar a medida e decidir em que momento ela será adotada."

Segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, a atualização determina que o horário de atendimento presencial seja até 22 horas na fase 3 amarela e na fase 4 (verde).

O secretário de saúde Jean Gorinchteyn reafirmou que 86% da população do Estado vive em regiões da fase amarela. "Estamos ainda no meio do caminho e não voltamos ainda nem ao 'novo normal'. Só voltaremos ao normal após a vacina."

O governador João Doria, que participou da coletiva de imprensa por video-conferência, afirmou que continua assintomático e cumpre o 8º dia de isolamento. Doria recomendou ainda que a população adote as medidas sanitárias preventivas. "Aos que têm mais de 60 anos, não só se protejam como protejam também seus familiares", disse. "As mulheres são as que mais defendem o isolamento social em São Paulo."

undefined

undefined

Divulgação / Governo de São Paulo

Últimas