Governo de SP concede rodovias estaduais a empresa por R$ 1,1 bi

Doria comemorou o ágio de 7.209% sobre o valor mínimo a ser pago pela concessão. Empresa será responsável por rodovias do interior por 30 anos

O governador João Doria na abertura dos envelopes da concessão

O governador João Doria na abertura dos envelopes da concessão

Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo

O governo de São Paulo concedeu nesta quarta-feira (8), o Lote Piracicaba-Panorama (Pipa) das rodovias estaduais por R$ 1,1 bilhão para a empresa Consórcio Infraestrutura Brasil, que ficará responsável pelo lote pelo péríodo de 30 anos.

No total, a concessão tem previsão de investimentos da ordem de R$ 14 bilhões para o trecho entre a cidade de Piracicaba, na região de Campinas, e o município de Panorama, no extremo Oeste do Estado, divisa com o Mato Grosso do Sul.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), saudou o que chamou de "maior ágio da história das Bolsas" para o resultado do leilão: 7.209% sobre a outorga mínima, segundo a gestão estadual.

Leia mais: Governo de SP promove leilão de rodovias estaduais nesta quarta

A outorga fixa (a ser paga à vista), entretanto, ficou bastante aquém do que o governo do Estado poderia ter embolsado com o certame. Atendendo a uma solicitação do próprio governador, o valor mínimo deste valor foi reduzido de um potencial de R$ 2 bilhões para somente R$ 15 milhões.

A proposta do Consórcio de Infraestrutura Brasil, liderado pelo Pátria e o fundo soberano de GIC, de Cingapura, levou o leilão da maior concessão rodoviária já feita no País. A proposta vencedora foi de R$ 1,1 bilhão. A oferta pela concessão foi quase 110% superior ao segundo colocado, a Ecorodovias, que propôs R$ 527,05 milhões.

Apesar de um ágio significativo contra a outorga fixa, o valor representa um "desconto" de quase 50% sobre o potencial que o Estado poderia ter arrecadado.

Questionado, o secretário estadual de Logística e Transportes de São Paulo, João Octaviano Machado Neto, negou um desconto elevado. "O modelo foi muito bem aceito e demonstra o acerto dessa modelagem", afirmou, em entrevista.

Nomes de peso ficaram de fora do certame. A CCR e a própria Arteris, que atualmente opera parte do trecho a ser leiloado, não entregaram envelopes com propostas.

O governador Doria foi questionado sobre a ausência de mais participantes, mas afirmou que o importante não é a quantidade de ofertas, mas a qualidade. "(O importante é) Termos players com poder. Tivemos investidores chineses e fundo de Cingapura. O pior seria um fundo com ágio baixo", disse.

Leia mais: Doria lança concessão de rodovias com investimento de R$ 9 bilhões

Lançada em meados de 2019, a concorrência engloba 218 quilômetros atualmente operados pela concessionária Centrovias, do Grupo Arteris, cujo contrato vence no primeiro trimestre deste ano, além de 1.055 quilômetros operados pelo DER-SP.