Governo e Prefeitura de São Paulo anunciam concessão das marginais 

Empresa ganhadora será responsável pela revitalização, modernização e manutenção das pistas. Período da concessão é de 30 anos, segundo órgãos

Estimativa de ganho com as marginais é de R$ 3 bilhões

Estimativa de ganho com as marginais é de R$ 3 bilhões

Edu Garcia/R7 - 26.02.2018

O governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo anunciaram, nesta quarta-feira (27), a concessão das marginais Tietê e Pinheiros para a iniciativa privada. A estimativa do investimento é de R$ 3 bilhões.

Leia mais: SP pode incluir trechos da Raposo Tavares em concessão de marginais

O edital de chamamento das empresas interessadas no projeto foi publicado no Diário Oficial da União e o período da concessão é de 30 anos. O poder público deu o prazo de cinco meses para os projetos serem apresentados e, em seguida, iniciar a licitação. “A expectativa é de contratarmos a empresa vencedora do certame para o início das obras no primeiro semestre do ano que vem”, disse o vice-governador Rodrigo Garcia.

Segundo o edital, as marginais, assim que repassadas à concessão, não terão pedágio. “O usuário que trafega pelas vias não terá custo nenhum”, garantiu o prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB) — por dia, três milhões de carro trafegam pelas marginais. 

Veja também: Estado quer PPP para conceder as Marginais em São Paulo

Será de responsabilidade da empresa ganhadora do edital a revitalização, modernização, melhoria e também manutenção. Este último, por sua vez, retira dos cofres públicos R$ 40 milhões por ano, segundo o prefeito, que disse que esse dinheiro, agora, “poderá ser investido em políticas sociais e assistencialistas”. O vencedor do certame também poderá explorar receitas acessórias como publicidade. Entre os investimentos, há a previsão de construção de mais uma faixa local na marginal Pinheiros.

Questionado, o governador João Doria (PSDB) disse que os rios (Pinheiros e Tietê) não estão inclusos no pacote de desestatização. “Vamos anunciar em breve um programa que prevê a despoluição dos rios”, justificou.

As possíveis multas aos motoristas que trafegarem nas marginais continuarão a cargo da prefeitura paulistana.