Coronavírus

São Paulo Grande SP registra 14 mortes de pacientes a espera de vaga na UTI

Grande SP registra 14 mortes de pacientes a espera de vaga na UTI

Segundo prefeituras, Taboão da Serra teve 11 mortes em fila de espera, 2 em Ribeirão Pires e outro em Itapecerica da Serra

  • São Paulo | Letícia Dauer, da Agência Record

UTI de tratamento do coronavírus no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo

UTI de tratamento do coronavírus no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo

Zanone Fraissat / Folhapress - 06.05.2020

A região metropolitana de São Paulo registrou 14 óbitos de pacientes de covid-19 que aguardavam por vaga em UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Levantamento feito pela reportagem, que questionou as 39 prefeituras da Grande São Paulo, aponta a que 11 pessoas morreram em fila de espera em Taboão da Serra, duas em Ribeirão Pires e outra em Itapecerica da Serra.

Segundo a Prefeitura de Taboão da Serra, as pessoas que morreram aguardando vaga em UTI do município foram cinco mulheres e seis homens. Quatro mulheres tinham entre 71 e 76 anos, e a outra tinha 95 anos. Enquanto três homens tinham entre 46 e 58 anos, um tinha 62 e os outros dois tinham mais de 70 anos. Já em em Ribeirão Pires foram uma mulher de 60 anos e um homem de 81. Não há informações sobre a vítima de Itapecerica da Serra.

O levantamento indica que os municípios de Taboão da Serra, Mairiporã, Ribeirão Pires, Itapecerica da Serra e Poá estão com 100% ou mais de ocupação nos leitos de UTI. Confira, abaixo, a situação em cada município da Grande São Paulo.

Taboão da Serra
Em resposta à solicitação, a Prefeitura de Taboão da Serra esclarece que devido ao colapso na Cross (Central de Regulação e Ofertas de Serviços de Saúde), desde o dia 3 de março todas as solicitações estavam sendo negadas.

Nesta terça-feira (9), por volta das 10h45, o Governo do Estado de São Paulo liberou quatro (4) vagas para o atendimento de pacientes que estavam na fila de espera por uma vaga em leito de UTI.

Ainda há 12 solicitações inseridas no sistema Cross. Nos últimos dias, segundo a prefeitura, Taboão da Serra chegou a ter 16 pacientes aguardando por leito de UTI em vagas reguladas pelo Estado.

Atualmente a taxa de ocupação de leitos é de 130%. A UPA Dr. Akira Tada, referência no atendimento de pacientes com suspeita de covid-19, possuí 40 leitos. Com adequação no espaço foram criados mais 10 leitos de enfermaria nos últimos dias, totalizando 50 leitos, no entanto há 52 pessoas internadas.

A cidade não dispõe de leitos de UTI, apenas leitos de suporte ventilatório e enfermaria. Para atender a crescente demanda por internações em decorrência da covid-19, a Prefeitura de Taboão da Serra criará, até o final de semana, mais leitos de enfermaria, o que aumentará a capacidade de atendimento em 75%, totalizando 70 leitos exclusivos para covid-19.

Itapecerica da Serra
A prefeitura informa município não possui leitos de UTI. Os leitos de enfermaria adultos estão com uma ocupação de 57%, incluindo todas as enfermidades que necessitam de internação.
Os leitos de isolamento, ocupados pelos casos graves confirmados ou suspeitos de covid, estão com 100% de ocupação.

Em nota enviada nesta terça-feira, a prefeitura disse que "no momento, há três casos aguardando vaga de UTI pelo sistema Cross. Um aguarda vaga desde ontem. Os outros dois desde a manhã de hoje".

"Tivemos um caso de paciente que faleceu enquanto aguardava vaga para transferência. Ele havia dado entrada no PS às 21h30, a vaga foi cedida pelo CROSS à 01h30, mas o paciente já havia entrado em óbito".

Ribeirão Pires
A Prefeitura de Ribeirão Pires confirmou nesta terça-feira o óbito de duas pessoas no município por complicações da covid-19. Um homem de 81 anos faleceu no dia 1 de março e uma mulher de 60 anos no último domingo (7). Ambas estavam internadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA - Santa Luzia) e aguardavam leitos no CROSS (Sistema de Vagas do Governo do Estado). As duas estavam com pedido de internação em UTI devido à gravidade do quadro de saúde. Porém, as vagas não foram disponibilizadas e os pacientes vieram a óbito. Há 10 dias o Hospital de Campanha de Ribeirão Pires opera com 100% de ocupação e já não recebe mais novos pacientes.

Desde o início de fevereiro, a Prefeitura de Ribeirão Pires vem alertando o governo do Estado sobre a necessidade de investimentos tanto no Hospital de Campanha da cidade, quanto na viabilização de equipamentos para municípios vizinhos, como Mauá, Rio Grande da Serra e Suzano, pois mais de 30% dos pacientes atendidos em Ribeirão Pires são provenientes dessas localidades. Graças ao Consórcio Intermunicipal Grande ABC, o Hospital de Campanha de Ribeirão Pires não vai encerrar as atividades neste mês, pois a entidade se comprometeu a realizar um aporte financeiro para manter o equipamento funcionando. Porém, caso governos Federal e Estadual não mandem recursos para a cidade, é possível que a estrutura seja desmobilizada no mês de abril.

Por fim, o prefeito Clóvis Volpi está tentando de todas as formas resolver a situação. Tem feito contatos diretos e também já encaminhou ofício junto com relatório sobre a situação do município ao governador João Doria, ao Ministério Público, aos deputados estaduais e à bancada paulista de deputados federais. Até o momento, apenas o Consórcio Intermunicipal se comprometeu a ajudar a cidade.

Esperamos que a situação se resolva nos próximos dias. Trabalho e disposição para resolver não vão faltar.

Guararema
A Secretaria Municipal de Saúde informa que, em Guararema, a ocupação média de leitos de enfermaria foi de 35% no mês de ferreiro. O município não tem leitos de UTI, de modo que os casos que demandam tratamento intensivo são transferidos para as cidades vizinhas, via CROSS.

Osasco
A ocupação é de 70% para UTI e de 66,2% de enfermaria. Nos casos de covid-19, não há pacientes à espera de vagas. Osasco aumentou a oferta de leitos na segunda-feira, ao reativar o Centro de Terapia Intensiva do Pronto-Socorro Osmar Mesquita, com 30 leitos. O município ainda tem a possibilide de reativar o Centro de Terapia Intensiva do Pronto-Socorro do Jardim Santo Antônio.

Biritiba Mirim
O município de Biritiba Mirim tem uma população menor que 50 mil habitantes, o que de acordo com as normativas do Governo do Estado, não comporta um Pronto Atendimento. Os pacientes com COVID-19 em Biritiba Mirim são destinados ao hospital Luzia de Pinho Melo ou demais referencia na Central de Regulação de Vagas.

São Caetano do Sul
São Caetano está com 61,5% dos leitos de UTI Covid ocupados e 70% dos leitos de enfermaria covid ocupados. Não há fila de espera para ocupação de leitos. Não tivemos casos de pacientes que morreram aguardando vaga. No domingo, a cidade aumentou em 25% a disponibilidade de leitos de UTI covid, ampliando de 40 para 50 leitos.

Pirapora do Bom Jesus
Em resposta ao questionamento enviado, a Prefeitura de Pirapora do Bom Jesus informa que não há, no momento, leitos ocupados com pacientes em tratamento da Covid-19. Dessa forma, também não há fila de espera. Informa ainda que nenhum paciente morreu enquanto aguardava vaga na UTI.

Guarulhos
No momento não há espera em Guarulhos, tanto para leito de UTI quanto para o de enfermaria.

Quanto às taxas de ocupação, os últimos números são de ontem, quando estavam na seguinte condição:

Ocupação de leitos de UTI em hospitais públicos de Guarulhos: 90,2%
Ocupação de leitos de enfermaria em hospitais públicos de Guarulhos: 89,6%

Mairiporã
Há 10 leitos de UTI e a ocupação é de 100%, e a enfermaria com 30 leitos com taxa de ocupação de 76,7%.

Vargem Grande Paulista
O município não tem Hospital, portanto não tem Leitos de UTI. O Pronto Atendimento conta com 8 leitos de observação para os casos de covid-19, sendo que cinco estão ocupados e desses, três pacientes aguardam vaga do sistema Cross. Não houve nenhum óbito de paciente que aguardava vaga.

Ferraz de Vasconcenlos
Ferraz de Vasconcelos não possui hospital municipal, portanto os questionamentos devem ser encaminhados ao governo do Estado, que tem a gestão do Hospital Regional "Doutor Osíris Florindo Coelho".

Mauá
O município está levantando os dados atualizados, mas até a última sexta-feira eram 24 pessoas aguardando a liberação do sistema Cross. 17 de pacientes com covid-19 e sete de pacientes com outras enfermidades.

Santa Isabel
Na UPA, os leitos com suporte ventilatório pulmonar têm 100% de ocupação, são nove pacientes internados. Os leitos de enfermaria tem 40% de ocupação, são dois pacientes internados.

Na Santa Casa, os leitos de enfermaria estão com 100% de ocupação, sendo 11 pacientes internados.

Diadema
A Prefeitura de Diadema informa que tem no momento 16 pacientes internados em UTI covid-19 no Hospital Municipal de Diadema (89% de ocupação dos leitos de UTI covid-19 do município). Além disso, três pacientes ocupam leitos de UTI contratualizados pelo município de Diadema em hospital privado em SP. 

Quando é necessário fazer transferência de paciente, a Regulação Municipal solicita, via vaga regulada pela Cross, órgão do estado de São Paulo que direciona para a referência de internação que tenha vaga disponível.

Poá
Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, nesta terça-feira (9), a taxa ocupação leitos UTI está em 100%, com dois pcientes enternados. Já a taxa ocupação leitos enfermaria está em 80%, com 12 pacientes internados, e há 15 vagas no total.

Barueri
Segundo a prefeitura, a ocupação no município está em 80,9% UTI e 72,8% na enfermaria. Neste momento, há 12 pacientes aguardando UTI via sistema Cross: oito aguardam desde segunda-feira (8), e quatro aguardam entraram na fila nesta terça.

Carapicuíba
A Prefeitura de Carapicuíba informa que a taxa de ocupação de UTI está em 70%. Já a taxa de ocupação de leitos clínicos é de 14%. É importante ressaltar que não há fila de espera de pacientes de Covid-19 e não houve óbito em decorrência de espera por vaga.

Últimas