Guarda mata 2 homens por ciúmes durante show de forró em SP

Versão preliminar da Polícia é de que homem agiu em defesa, mas familiares contestam. "Ninguém tinha arma. O GCM tinha arma", disse irmão de vítima

Marcos, 50, e Matheus, 27, morreram após tiros do guarda municipal

Marcos, 50, e Matheus, 27, morreram após tiros do guarda municipal

Reprodução

Um guarda civil municipal matou dois homens a tiros na noite de domingo (15), em uma casa de shows de forró em Jarinu (SP), por ciúmes. As informações são da Record TV.

O autor dos disparos viu dois homens assediando as dançarinas do grupo de forró que se apresentava ao local. Entre elas, sua namorada.

Incomodado, o namorado da dançarina discutiu com Marcos Rogério Monteiro, de 50 anos, e Matheus Duarte Rocha, de 27. Após a confusão, ele atirou contra os dois, que morreram.

Marcos e Matheus trabalhavam juntos em uma empresa de segurança, e saíam entre amigos na noite do crime.

O guarda civil, que atua em Campo Limpo Paulista (SP) e estava de folga na noite de domingo, ainda feriu a própria perna e ainda acertou a mão do dono da casa de shows, que tentou apartar a confusão.

Segundo clientes, a casa noturna possuía câmeras de segurança, que podem revelar o que aconteceu na noite de domingo. De acordo com a reportagem, há duas versões para a ação do guarda: algumas pessoas presentes no local dizem que ele simplesmente disparou contra o grupo de amigos, enquanto outros clientes afirmam que ele atirou para se defender.

Até o momento, a versão preliminar da Polícia sobre a ação do guarda é de que ele agiu em legítima defesa, mas os familiares das vítimas contestam a possibilidade. “Ninguém tinha arma. O GCM tinha arma”, considerou Luiz Roberto Monteiro, irmão de Marcos.

“Atira duas vezes no rosto do meu irmão, atira duas vezes no peito de outra pessoa, atira na mão do dono do estabelecimento e é legítima defesa?”, questionou.