São Paulo Homem algemado e sob escolta da PM se joga do 4° andar de hospital

Homem algemado e sob escolta da PM se joga do 4° andar de hospital

Paciente é suspeito de esfaquear até a morte a namorada em São Caetano do Sul. Ele teria escorregado no sangue da vítima e se ferido acidentalmente

Patrícia Mello morreu no sábado (2) em São Caetano do Sul

Patrícia Mello morreu no sábado (2) em São Caetano do Sul

Reprodução Facebook

Um homem, de 26 anos, preso no último sábado (2) suspeito de esfaquear até a morte a namorada veterinária em São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo, estava internado em um hospital do município. Nesta quinta-feira (7), ele estava sob escolta policial, algemado à cama e se jogou do 4º andar do complexo. Ele sobreviveu a queda, mas corre risco de vida.

De acordo com a Polícia Civil, o homem confessou ter esfaqueado a companheira oito vezes na região do abdômen, após tentar sair sem a companhia dela, o que foi motivo de discussão. O suspeito contou que escorregou no sangue da veterinária Paula Patrícia de Mello, e acabou se cortando acidentalmente na região da barriga, com a própria faca. Em seguida, ele foi internado sob a escolta policial.

Leia mais: Interior de SP já contabiliza 5 feminicídios no início de 2019

Na manhã de hoje, dois policiais militares faziam a escolta do paciente, do lado de fora do quarto. O homem, que estava algemado à grade da cama, teria conseguido retirar a grade e, ainda algemado a ela, se jogado do quarto onde estava internado. De acordo com a Prefeitura de São Caetano do Sul, o estado de saúde do suspeito é grave, principalmente por conta de edemas cerebrais.

“A equipe médica avaliou por meio de tomografias do tórax e do abdômen, que o paciente teve traumas crânio-faciais, mas que o tratamento será apenas clínico, não necessitando de cirurgia neste caso”, diz a nota. Até o final da tarde, ele deve passar por uma nova cirurgia, desta vez para reestruturação das paredes abdominais.

O caso foi atendido pelo delegado George Henrique Franchon Marques, o qual disse que o boletim de ocorrência só será feito apenas após a conclusão da situação médica do paciente, e que trabalha com a hipótese de tentativa de suicídio.