Coronavírus

São Paulo Hospital de campanha do Pacaembu tem 33 leitos ocupados por covid-19

Hospital de campanha do Pacaembu tem 33 leitos ocupados por covid-19

Trinta e uma pessoas estão em leitos de baixa complexidade e dois na sala de estabilização, para tratamento de pacientes mais graves. Três tiveram alta

  • São Paulo | Do R7

Dos 200 leitos do hospital do Pacaembu, 33 já estão ocupados por pacientes

Dos 200 leitos do hospital do Pacaembu, 33 já estão ocupados por pacientes

Divulgação / Allegra Pacaembu

O Hospital Municipal de Campanha do Pacaembu tem 33 leitos ocupados com pacientes com covid-19, segundo dados da Prefeitura de São Paulo. Deste total, 31 pessoas estão em leitos de baixa complexidade e dois na sala de estabilização, equipada com recursos para tratamento de casos mais graves.

Desde a inauguração da estrutura, no dia 6, três pacientes tiveram alta. Outros dois foram transferidos para hospitais por causa do agravamento do quadro clínico. São esperados mais 17 pacientes nesta sexta-feira (10), que já tiveram o encaminhamento aprovado.

Leia mais: Cloroquina será usada contra covid-19 na rede municipal de São Paulo

As 200 vagas são controladas pela Secretaria Municipal de Saúde. A unidade tem portas fechadas ao público e só recebe pacientes de baixa e média complexidade, transferidos por ambulâncias a partir dos equipamentos de saúde da capital (Hospitais, Pronto Socorros, Unidades de Pronto Atendimento).

Dos 200 leitos, oito são de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para socorrer pacientes que apresentem complicações. A Organização Social da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira do Hospital Albert Einstein é a responsável pela administração dos serviços de saúde no local.

Veja também: David Uip sobre tratamento da covid-19: "Fui vítima de massacre e politização"

O objetivo do hospital de campanha é liberar os leitos dos hospitais municipais para internação de pacientes mais graves. Atuam no local 520 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos e assistentes sociais, divididos em três turnos.

A cidade de São Paulo tem 16.659 casos suspeitos do novo coronavírus e 5.832 confirmados. São 364 óbitos, maior taxa de morte pela doença do país. 

Leia ainda: Taxa de isolamento em SP é a menor desde o início da quarentena

Atendimento

Caso o quadro de saúde se agrave, o paciente será encaminhado para um dos leitos de estabilização. Na piora do quadro clínico, o paciente vai para a sala de recuperação e, se necessário, será transferido para um hospital com UTI. Há equipamentos para exames de imagens, incluindo tomografia computadorizada, e laboratório para realização de análises clínicas.

Últimas