São Paulo Identificado antigo dono de carro usado em morte de ciclista em SP

Identificado antigo dono de carro usado em morte de ciclista em SP

Homem disse à polícia que vendeu o veículo em 2017 e tem documentação. Marina Kohler Harkot, de 28 anos, morreu atropelada no sábado (7)

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Cicloativista morreu atropelada na zona oeste de SP

Cicloativista morreu atropelada na zona oeste de SP

Reprodução/Facebook

O proprietário do carro usado para atropelar e matar a cicloativista e pesquisadora da USP (Universidade de São Paulo) Marina Kohler Harkot, de 28 anos, foi identificado pela polícia. Ele afirmou, no entanto, que vendeu o veículo em 2017 e que apresentaria a documentação na delegacia. 

Marina morreu na noite do último sábado (9), no bairro do Sumaré, na zona oeste de São Paulo.

A cicloativista estava de bicicleta quando foi atingida por um carro, que fugiu do local. A principal testemunha do caso foi à delegacia nesta segunda-feira para prestar depoimento. A via onde Marina foi atropelada, conforme as apurações iniciais, é bem iluminada e, possivelmente, o motorista conseguiu enxergá-la.

Uma policial militar de folga foi uma das pessoas que prestaram socorro à Marina. A ciclista foi enterrada nesta segunda-feira (9), em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Após a morte de Marina, outros cicloativistas organizaram manifestações pedindo por justiça e mais respeito no trânsito.

Um levantamento feito pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego estima que o SUS (Sistema Único de Saúde) gasta R$ 15 milhões por ano para tratar ciclistas vítimas de trânsito.

De janeiro a setembro deste ano, 24 pessoas morreram andando de bicicleta em São Paulo.

Últimas