Inadimplência no aluguel sobe quase 50% em SP na pandemia

Pesquisa com 222 imobiliárias revelou ainda uma queda de 39,21% nas vendas de imóveis residenciais entre fevereiro e março na capital paulista

Ano de 2020 era considerado promissor, com crescimento de 65,68
%

Ano de 2020 era considerado promissor, com crescimento de 65,68 %

Rovena Rosa/Agência Brasil

A inadimplência no pagamento de aluguel aumentou 48,79% entre os meses de março e fevereiro desde ano, de acordo com levantamento do CRECISP (Conselho Regional de Corretores de Móveis de São Paulo) para mensurar os impactos da pandemia no setor imobiliário. Segundo a pesquisa, ao menos 547 inquilinos devolveram os apartamentos no período, 35% por motivos financeiros.

Leia mais: Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

O levantamento foi feito na capital com mais de 222 imobiliárias, que registraram queda de 39,21% nas vendas de imóveis residenciais entre o mês de fevereiro e março. 

A pesquisa diz ainda que no mês de janeiro o mercado havia registrado um crescimento de 65,68% do volume de vendas, dando indícios de que o ano de 2020 seria promissor, caso não houvesse a pandemia.

As locações de imóveis diminuíram também cerca de 41,23% entre os meses de fevereiro e março. O conselho ainda aponta que os novos negócios feitos por financiamentos imobiliários tiveram mais apoio dos bancos privados do que os públicos, como a Caixa Econômica Federal.

Segundo a pesquisa, a CAIXA foi responsável apenas por 15,09% dos financiamentos enquanto as instituições privadas tiveram a participação em 32,08%. As vendas a vista e imóveis de padrão médio também foram predominantes no fechamento de negócios do mês de março, ultrapassando 50%.

O Estado de São Paulo é considerado o epicentro da pandemia no Brasil registrando o maior número de casos e mortes em todo o país.

Veja cenas da nova rotina da cidade de São Paulo em meio à pandemia