São Paulo Irmã de Rafael Miguel desabafa: 'Eu só queria conversar com vocês'

Irmã de Rafael Miguel desabafa: 'Eu só queria conversar com vocês'

Morte do ator e dos pais deles completa um ano nesta terça-feira (9). Assassino Paulo Cupertino está foragido desde o dia do crime

  • São Paulo | Do R7

Camila Miguel,  irmã do ator Rafael Miguel

Camila Miguel, irmã do ator Rafael Miguel

Reprodução/Instagram

Camila Miguel, irmã do ator Rafael Miguel, morto a tiros há exatamente um ano junto com os pais deles, gravou um vídeo longo no Instagram para lembrar a data e desabafar sobre a falta que sente da família.

O crime aconteceu no dia 9 de junho de 2019. Cupertino atirou e matou o ator Rafael Henrique Miguel, de 22 anos, e os pais dele, João Aloizio Miguel, de 52 anos, e Mirian Selma Silva Miguel, de 50 anos. Ele fugiu em seguida e até hoje não foi encontrado. Segundo a Polícia Civil, Paulo Cupertino cometeu o crime por não aceitar o namoro do ator Rafael com sua filha, Isabela Tibcheran.

"Oi mãe, oi pai, oi Rafa. Hoje faz um ano que a gente não está mais junto presencialmente. Eu realmente não consigo colocar nada estrutural para fora. A única coisa que queria era conversar com vocês. Eu sinto muito a falta de vocês. Queria conversar com vocês e de alguma forma tinha um bloqueio nesse último ano. A gente conversou um pouco em sonhos, mas muito pouco. Queria quebrar esse bloqueio."

"Nos dias que estou mal é quando mais sinto vocês. A raiva não toma conta, o ódio não toma conta", disse Camila.

Paulo Cupertino Matias é considerado foragido da Justiça e procurado pela polícia desde o dia do crime. Até hoje a prisão preventiva de Cupertino não foi decretada, o que facilitaria nas buscas pelo criminoso.

Rafael Miguel com a irmã, Camila

Rafael Miguel com a irmã, Camila

Reprodução/Redes Sociais

Para a mãe

"Queria falar com cada um de vocês e lembrar. Queria começar falando com você mãe. Você aparece muito pouco para mim nos sonhos."

"Sei que você tinha sonhos ainda. Se eu era parecida com você antes hoje eu me vejo mais ainda até na forma de falar com a minha filha. Sinto muita falta de conversar com você, a gente conversava tanto né? Depois que eu saí de casa a gente ficou muito mais parceira."

"Queria muito comer sua comida de novo. Vira e mexe abro no whatsapp alguma receita que eu pedi para você. Ninguém cozinha como você, mãe. Isso faz muita falta."

"Estou aqui pensando muito o quanto você apoiou tudo o que eu sonhei e o Rafa também. Você deu credibilidade para uma coisa que uma menina de cinco anos pediu."

Para o pai

"Pai, nossa relação era totalmente diferente da mãe, a gente era bem papai e filhinha. A gente teve muita coisa em comum, seu jeito extrovertido. Sempre fico lembrando dos seus momentos, da sua voz. Era uma pessoa muito maravilhosa. Não conheço ninguém assim que não amava você. Você era aquele velho palhaço do pavê, mas não era chato, era muito legal."

"Eu sempre fico lembrando quando ia pra casa de vocês e a gente dormia na sala, você abaixava e olhava minha filha do ladinho dormindo no colchão. A parte que mais dói e não poder ver você com ela."

"Sempre que abro uma cerveja, peço uma pizza, quando eu danço, quando brinco de monstro com ela eu penso em você. Ao contrário de mim ela gosta muito de cóçegas. Você foi uma referência muito grande para mim. E eu sou muito grata à você e à mãe porque fizeram muitos sacrifícios."

"Também penso muito em você quando vejo Copa do Mundo. Você era o cara de carteirinha. Como esquecer 2002 quando você acordou todo mundo para ver o jogo. Eu acho que sei que você está bem porque é uma pessoa muito alto astral."

Para Rafael

"Rafa, de todos você é o que aparenta estar melhor. Você aparece sempre nos meus sonhos. A gente conversa. É como se a gente tivesse tido um encontro. Fico imaginando que a mãe e até o pai talvez não aceitaram o que aconteceu, e quando você aparece e está melhor eu penso: poxa, você tinha tanta coisa pela frente né?"

"Nossa relação foi sempre de irmão. Aquele negócio de 'te amo, mas te odeio'. Brigava e se amava. Você arteiro, quebrava as coisas,  eu ficava brava. E quando cresceu virou uma pessoa totalmente diferente. Legal até demais. Chegava e cumprimentava todo mundo com beijo no rosto. Era uma pessoa muito gentil, muito humilde, que ajudava. Tenho muito orgulho da pessoa que você foi e continua sendo. De quem você se tornou."

Existe apenas uma ordem de prisão temporária, que não permite, por exemplo, inserir o nome de Paulo Cupertino na lista dos mais procurados.

Últimas