São Paulo Justiça de SP recebe denúncia contra mãe de Gael por homicídio

Justiça de SP recebe denúncia contra mãe de Gael por homicídio

MP solicitou exame de sanidade mental para Andréia Freitas de Oliveira, de 37 anos, por agredir, asfixiar e matar o filho de 3 anos

  • São Paulo | Do R7, com informações da Agência Record

Justiça de São Paulo recebe denúncia contra mãe de Gael por homicídio qualificado

Justiça de São Paulo recebe denúncia contra mãe de Gael por homicídio qualificado

Reprodução Record TV

A Justiça de São Paulo recebeu denúncia do Ministério Público de São Paulo contra Andréia Freitas de Oliveira, de 37 anos, por agredir, asfixiar e matar o filho Gael Freitas Nunes de Farias, de 3 anos. Junto à denúncia, enviada nesta quinta-feira (20), o MP solicitou exame de sanidade mental para a mulher.

O promotor de Justiça, Neudival Mascarenhas Filho, denunciou Andréia por homicídio doloso qualificado por meio cruel, sem prestar socorro imediato e contra descendente. De acordo com a denúncia, no dia 10 de maio, ela agrediu o filho no apartamento da família, matando-o por asfixia.

A Promotoria também pediu a instauração de incidente de insanidade, uma vez que a denunciada já havia apresentado quadro de transtorno psiquiátrico em 2012. Segundo a tia-avó da criança, Andréia foi internada por quatro vezes.

Até a manhã desta sexta-feira (21), o Tribunal de Justiça informou que ainda não havia decisão.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou que o inquérito policial foi encerrado na terça-feira (18) e concluiu que a responsável pelo crime foi a mãe da vítima, após oitivas de testemunhas e provas periciais. Ela foi presa em flagrante e indiciada por homicídio qualificado.

O caso

A criança de 3 anos morreu com sinais de agressão na alameda Joaquim Eugênio de Lima, na Bela Vista, região central de São Paulo, na segunda-feira (10). 

Ele foi encontrado praticamente sem vida no chão da cozinha do apartamento onde morava com a mãe, a irmã de 13 anos e a tia-avó. Ele estava coberto com a toalha de mesa, em meio ao vômito, quando foi localizado por parentes, ao lado da mãe, que está presa preventivamente.

Ela alega não lembrar do que aconteceu e a defesa pretende entregar laudos que atestam que a mãe teve um surto psicótico. Ao ser localizada, não tinha qualquer reação, parecia catatônica, segundo o relato de um enfermeiro à Record TV.

A tia-avó escutou barulhos fortes de batidas na parede e estilhaços, mas achou que o som era de outro apartamento. A idosa disse que logo depois o menino parou de chorar. Marcas do anel usado pela mãe estavam na criança.

Os pais do menino estavam separados e ele disse não ter notado qualquer comportamento estranho da ex-mulher. As últimas palavras do filho a ele foram: "Papai, te amo".

Últimas